12/07/2017 15h39

Ontem (11) o presidente da Cassems, Ricardo Ayache, homenageou as responsáveis pelo trabalho na ala de oncologia

Redação

O Projeto Almofada do Coração foi descoberto nos Estados Unidos e divulgado por Janet Kramer Mai, especialista em câncer de mama, do Erlanger Breast Resource Center, em Chattanooga, Tennessee. Janet Kramer Mai, após ter passado por uma cirurgia de câncer de mama em 2002, sentiu a necessidade de colocar algo para apoiar o braço devido à dor e à dormência que ocorrem no pós-cirúrgico. Após várias tentativas para achar uma maneira de ficar mais confortável, Janet chegou ao formato da almofada do coração, que se encaixa perfeitamente à anatomia local.

Com alegria e muito amor o projeto chegou em Campo Grande, através das artesãs, Sandra Avila e Jane Benato. No Hospital Cassems de Campo Grande esses dois exemplos de dedicação acompanham o tratamento das pacientes desde a internação, ensinando a usar lenços, a se maquiar e lógico, fazendo a entrega da almofada após a cirurgia e como forma de agradecimento o presidente da Cassems, Ricardo Ayache, acompanhado da paciente da oncologia, Enedir Martins de Moraes e do médico responsável pelo setor oncológico, Fabrício Colacino, fizeram uma singela homenagem a elas na tarde de ontem (11).

De acordo com Ricardo Ayache a Cassems reconhece todos que lutam pelo atendimento humanizado e que somam com solidariedade, respeito e carinho nas batalhas diárias do Hospital. “A luta contra o câncer não é fácil, nós também sofremos com as nossas pacientes e sabemos o quanto iniciativas como o Projeto Almofada do Coração são importantes para a autoestima delas. O amor também cura e a soma de um atendimento técnico de qualidade com o carinho são essenciais, portanto só poderíamos agradecer esse belo trabalho que a Jane e a Sandra realizam aqui conosco”, disse.

O médico Fabrício Colacino fez questão de enfatizar que no Hospital Cassems de Campo Grande há reconhecimento pra quem traz carinho aos pacientes. “Aqui nós valorizamos quem traz carinho aos nossos pacientes e já acompanho há algum tempo o Projeto Almofada do Coração e como responsável do setor oncológico do Hospital faço questão de solicitar que a minha equipe informe a Sandra e a Jane quando uma paciente dá entrada para preparação de cirurgia ou quimioterapia, pois esse amor que transborda vai muito além de uma simples almofadinha em formato de coração, ele dá reflexos significativos durante o tratamento”, ressalta.

Segundo a artesã Sandra Avila, que também teve câncer e daí que a ideia de trazer o projeto para Campo Grande surgiu, o reconhecimento dá ânimo para continuar o trabalho. “Queremos levar para as pacientes um pouco de amor, uma palavra de carinho e principalmente dizer que é possível vencer essa doença e a abordagem da almofada é excelente para isso. Com certeza o reconhecimento da Cassems ao nosso trabalho nos dá ainda mais força para continuar realizando ele”, enfatiza.

A Sandra Avila, amiga que acompanha a caminhada da Sandra na luta contra o câncer e que topou somar no desafio do projeto, explica que a almofada tem um formato ideal para aliviar a dor da incisão cirúrgica, reduzir o inchaço linfático provocado pela cirurgia, diminuir a tensão nos ombros e pode ser usada debaixo do cinto de segurança e também como apoio para dormir.

Para a paciente do Hospital Cassems, Enedir Martins de Moraes, de 58 anos, que fez a cirurgia na mama em fevereiro, a almofada funciona e o carinho da Jane, da Sandra e do corpo clínico como um todo, foram essenciais na sua estadia na unidade hospitalar e nas vezes em que ela retorna para a quimioterapia. “Uso muito a almofada que ganhei e de fato o formato dela ajuda assim no processo doloroso do nosso tratamento, mas para além disso, o carinho, a atenção, o estímulo para que superemos este momento foi essencial pra mim. Admiro muito esse carinho, essa atenção conosco e o amor que não só as meninas do projeto, como todo o Hospital teve e tem comigo”, conclui.

Projeto no Brasil

O projeto chegou ao Brasil aproximadamente em 2010, através da Ondina Almida Posiadlo, da Sociedade Feminina Missionária da Igreja de Deus no Brasil. Em sua visita à Alemanha ela se inspirou e participou do trabalho de um grupo de voluntárias que realizavam este trabalho.
No sul do país o projeto teve início em 2012, no estado do Paraná, em Curitiba e após quatro anos de trabalho voluntário já foram entregues mais de cinco mil Almofadas do Coração. Existe padrão de tamanho e material para confecção das almofadas. São utilizados tecidos 100% algodão e material antialérgico.

(*) Assessoria de Comunicação

De acordo com Ricardo Ayache a Cassems reconhece todos que lutam pelo atendimento humanizado e que somam com solidariedade (Foto/Assessoria)

Comentários