22/08/2017 16h25

Acusado, que é fazendeiro, incendiou caminhonete com vítima dentro. Mandado de prisão foi cumprido nesta terça-feira

Lucas Gustavo

O fazendeiro Ercílio Priviateli, de 64 anos, foi preso em casa, por força de um mandado, nesta terça-feira (22), pelo homicídio de José Cícero de Oliveira, de 40. A sentença foi dada em janeiro do ano passado pelo Tribunal do Júri de Três Lagoas, mas o acusado havia recorrido da decisão. A pena do morador chegou aos 14 anos de detenção.

O crime aconteceu na madrugada de 11 de julho de 2007. A Justiça considerou o motivo do assassinato como fútil. De acordo com o Promotoria, inicialmente, a polícia registrou o caso como acidente de trânsito.

Na época, a caminhonete de José Cícero foi encontrada incendiada na rodovia 158, entre Três Lagoas e Brasilândia-MS. A vítima, que conduzia o veículo, teve o corpo carbonizado.

Ao Perfil News, o delegado Ailton Pereira de Freitas, do Setor de Investigações Gerais (SIG), explicou que na casa do acusado foram encontradas duas espingardas. Ele não resistiu à prisão e, durante esta tarde, foi encaminhado à penitenciária.

DESENROLAR DO CASO

De acordo com o Promotoria, no velório de José Cícero, um dos filhos de Ercílio demonstrou bastante comoção. Além disso, o rapaz fez um pedido de desculpas à viúva. Horas antes, armado e a pedido do pai, o jovem teria ido até a casa da vítima para matá-la, mas não a encontrou.

A partir dessa e outras suspeitas, o corpo de José Cícero foi exumado e a caminhonete periciada.
A polícia também encontrou um óculos do assassino perto do automóvel.

Os agentes ainda reconstituíram todo o trajeto feito pela vítima e o acusado na data do crime. Os exames constataram que, na verdade, o homem recebeu um tiro no peito e a caminhonete foi incendiada. A Justiça apontava o fazendeiro como o responsável da ação.

MOTIVO

Também segundo a Promotoria, Ercílio matou José Cícero por ciúmes. Ele suspeitava que o homem mantinha um relacionamento amoroso com sua mulher. A fazenda do assassino é vizinha da propriedade rural que a vítima administrava.

Ercílio e a esposa já estavam em fase de separação por ele ter descoberto que a mulher o traía com um de seus filhos, enteado dela. A Justiça diz que o caso entre José Cícero e a vizinha nunca ficou comprovado.

LENTIDÃO

A promotoria esclareceu que a lentidão no processo se deu por conta de a banca de advogados do acusado ter protocolado todos os recursos possíveis. Além disso, a defesa garantia que Ercílio era inocente e pediu que o julgamento fosse adiado.

O acusado continuava morando na fazenda ao lado da casa em que a vítima vivia. O filho dele, que queria executar José Cícero, morreu em um acidente de trânsito.

Na época, a caminhonete de José Cícero foi encontrada incendiada na rodovia 158, entre Três Lagoas e Brasilândia-MS. (Foto: Divulgação).

Crime aconteceu na madrugada de 11 de julho de 2007. (Foto: Divulgação).

Ercílio Priviateli. (Foto: Divulgação/ Polícia Civil).

Comentários