08/02/2012 10h34 – Atualizado em 08/02/2012 10h34

Remédios para emagrecer: Um perigo para o organismo

Brasileiros buscam dietas milagrosas e não se atentam aos perigos

Rafael Furlan

Próximo ao carnaval, as pessoas começam a fazer dietas, freqüentam academias e se preocupam em cuidar mais do corpo. Essa procura ocorre, pois muitos brasileiros estão insatisfeitos com alguns detalhes com o corpo querendo assim emagrecer e ter um padrão de beleza.

Muitos buscam outras técnicas como o uso de remédios não recomendados pelos médicos. Dados mostram que 12% dos brasileiros usam algum tipo de medicamento para emagrecer. Esse número é 50% maior do que a taxa de consumo da América Latina, que corresponde a 8%.

Recentemente a ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária, cancelou e proibiu a venda, manipulação de medicamentos como femproporex, mazindol e anfepramona. Reduzir o número dessas drogas com os efeitos emagrecedores é a meta dessa Agência.

TRÊS LAGOAS

Em Três Lagoas, a venda de medicamentos para emagrecer aumentou também. Para Alberto Silva da Rocha, farmacêutico, “esse número aumenta no carnaval. Hoje podemos dizer que está em 30%. Muitos medicamentos são controlados, mas os três lagoenses buscam comprar mais os emagrecedores naturais. Agora é a vez do óleo de coco, pois queima a gordura”, ressalta Alberto.

Já para outro farmacêutico, César Riba, “muitos médicos já não estão receitando medicamentos para emagrecer”, finaliza.

Medicamentos como femproporex, mazindol e anfepramona, foram proibidos
Foto: Divulgação

Comentários