13/04/2018 07h51

Willams Araújo

Vexame

A pré-candidatura do PDT ao governo de Mato Groso do Sul não empolgou e corre o risco até de não emplacar, permitindo eventual recuo do juiz aposentado Odilon de Oliveira, que embora tem preferência em disputar uma vaga do Senado, foi convencido pelo presidente regional do partido, João Leite Schmidt, e pelo deputado federal Dagoberto Nogueira a enfrentar o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e possivelmente o ex-governador André Puccinelli (MDB). Há um prenúncio de vexame no ar!

Descanso (?)

Como a série de encontros regionais do MDB acabou pelo interior do Estado, assim o ex-governador André Puccinelli dá uma trégua em suas andanças, deixando de levar as suas mensagens às bases eleitorais do partido que sonha acordado em retomar o poder em Mato Grosso do Sul. Aliás, o sumiço do italiano pode ser notado até mesmo nas redes sociais, principalmente em sua página no facebook, onde tinha aparição quase que diária. Vai daí que…

Sinais dos tempos

Para quem exercia forte liderança política no Estado mesmo sem mandato e sempre à frente da direção de partidos políticos consistentes, a ida do ex-deputado estadual para o PSD, assim como a de sua filha, deputada estadual Grazielle Machado, deixou muita gente surpresa na política sul-mato-grossense. A leitura que se faz é que o cardeal, nesse caso, vai depender das articulações políticas do prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, para se enquadrar no novo partido.

Impeachment

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB-MS) afirmou que desistiu de entrar com um pedido de impeachment contra o ministro Luís Roberto Barroso, do STF. Para ele, Barroso “tem desrespeitado a Constituição e deixado com que suas preferências políticas partidárias se revelem nas suas decisões”. Na quinta-feira (12), o representante sul-mato-grossense no Planalto, disse que Temer é vítima de “mais um capítulo de perseguição”, referindo-se a reportagem que aponta a filha do presidente, a psicóloga Maristela Temer, teria recebido pagamento suspeito da mulher do coronel João Baptista Lima Filho, investigado pela Polícia Federal.

Recuo

No mês passado, Marun disse que apresentaria um pedido de impeachment, na primeira sessão conjunta do Congresso. “Desisti (de apresentar o pedido) porque daria a impressão de que seria uma ação de governo. Não gostaria que isso acontecesse. Então estou reavaliando e não devo fazê-lo, pelo menos por enquanto.”

Comentários