09/10/2019 07h39

Corpo de Érica foi desovado na Cascalheira no início de setembro; seis pessoas já estão presas por envolvimento no homicídio

Gisele Berto

Em uma ação conjunta entre as Polícias Civis de Três Lagoas e São Paulo foi presa, na tarde de ontem, 8, a mulher que seria a mentora intelectual do assassinato de Érica Rodrigues Ribeiro, 29 anos, morta no início de setembro.

Ao que tudo indica, segundo o inquérito, Érica teria sido morta por integrantes de uma facção criminosa. Seu corpo foi desovado na Cascalheira.

Identificada como a mentora do crime, uma mulher de apelido Maju havia fugido para a casa do irmão, em Araçatuba. A mulher foi presa por policiais do GOE.

Com ela a polícia apreendeu também 79 pinos de cocaína, mais 19 pinos vazios, sem uso; um caderno com anotações referente ao crime organizado, além da quantia de R$ 300 em dinheiro.

Ao ser presa, a mulher disse que realmente estaria batizada numa organização criminosa, com o apelido de “Viúva Negra”.

Ela foi presa e também responderá pelos crimes de tráfico e associação ao tráfico de entorpecentes. O irmão dela foi identificado, mas não foi localizado no momento da ação policial.

O CRIME

Cinco outras pessoas já haviam sido presas por envolvimento no assassinato de Érica. Dois veículos usados no crime também foram apreendidos.

Érica foi morta a golpes de arma branca. O corpo dela foi localizado no dia 3 de setembro às margens do Rio Sucuriú.

Segundo relato de familiares, na noite anterior ao crime quatro pessoas, sendo dois homens e duas mulheres, estiveram na residência da vítima, utilizando um veículo que ainda não tinha sifo identificado, mas agora sabe-se que é o Vectra.

Depois das mulheres conversarem com a vítima na frente da casa, uma delas simulou que queria um copo de água e, no momento em que a mãe de Érica foi até o interior da casa a vítima foi agarrada e colocada à força no interior do veículo.

A partir daí, iniciadas as diligencias, numa ação conjunta entre o S.I.G. e 1º DP foram identificados e localizados D.S.A., vulgo “Magrelinho”, 22 anos; S.F.S., vulgo “Kenia ou Platinada PCC”, 31 anos; e L.P.A., vulgo “Mizuno ou Atentadinho”, 22 anos. Todos tiveram suas prisões temporárias decretadas pela 1ª Vara Criminal local.

Em seguida foi identificado M.B S., 30, responsável pelo local em que a vítima foi levada antes de ser morta. Ele também teve sua prisão temporária decretada. No dia 23 de setembro outro envolvido, A.F.S, 35, vulgo Gordo, também foi preso.

Com a mulher foram encontrados um celular, um caderno de anotações e pinos de cocaína. Foto: Divulgação

Comentários