29/11/2018 09h39

Pai e primo do motorista agrediram policiais e foram detidos; pai ainda responderá por fraude processual, já que tentou enganar os policiais dizendo que era ele quem dirigia o carro.

Gisele Berto

Um jovem de 19 anos bateu o carro do pai em um poste ao lado da Igreja Matriz na madrugada desta quinta-feira em Três Lagoas. Apesar dos danos ao veículo, um Toyota Corolla, o menino estava bem de saúde. Tanto que saiu caminhando após o acidente. Uma ligação anônima ao 190 indicou que o motorista estaria quatro quarteirões distante, na esquina das avenidas Antonio Trajano e Eurídice Chagas Cruz. Seria uma simples ocorrência de trânsito, com o agravante do rapaz ter destruído patrimônio público e saído da cena do acidente. Isso se a história acabasse aí. Mas não acabou…

PRIMEIRO, O PRIMO

A polícia encontrou o condutor do carro e conversava com ele para tentar entender o acidente. Fisicamente bem, o rapaz não precisou de atendimento médico, apesar da equipe policial ter acionado o SAMU, indicando acidente sem vítima.

Mas aí chegou o primo do rapaz. Alterado, veio em uma motocicleta Biz e, sem nem falar boa noite, exaltado, questionava o trabalho da polícia.

Os oficiais disseram que a presença dele não era necessária, mas ele podia ficar por perto, se quisesse. E continuaram a conversa com o condutor do carro, que informou que havia perdido o controle do veículo e, assim, teria atingido o poste. Disse também que estava com medo da reação do pai, quando soubesse o que tinha acontecido.

Nesse momento os policiais pediram a ele para entrar na viatura o os acompanhar até o local do acidente. Foi quando o primo interveio, dizendo que ninguém tiraria o jovem do local. A polícia pediu, então, a documentação do primo valente e ele se recusou a mostrar, porque “o acidente era em outro lugar e era para a polícia fazer a parte dela”.

TÁ ACOMPANHANDO? CONTINUE, PORQUE AGORA CHEGA O PAI…

No meio da confusão do primo exaltado, o jovem nervoso e policiais agitados chega o pai do motorista do carro. E tudo piorou.

O empresário já chegou dizendo que “não tinha homem” para tirar o filho dele de lá” e, “apontando o dedo contra o PM e dizia: – eu vou ferrar vocês, vou processá-los, vocês não sabem com quem estão mexendo (…), eu ajudo você e vou ligar para o seu comandante, vou ligar para o delegado” – tudo registrado no boletim de ocorrência.

Não bastasse tudo isso, o empresário conseguiu, ainda, piorar o que já era ruim, quando falou para os policiais que era ele quem dirigia o carro, sendo que o filho – e a gente nem imagina a situação dele nesse momento – já havia dito, e confirmado, que era ele quem dirigia o carro.

CHAMANDO REFORÇOS

Com o clima esquentando e o primo e o pai do condutor ficando cada vez mais exaltados, os policiais decidiram chamar o apoio de outra viatura.

O primo do jovem insistia que os policiais deveriam chamar o SAMU para socorrer o rapaz, mesmo a polícia falando que já tinha feito isso e que o condutor afirmava que não precisava de socorro.

Buscando incessantemente a treta, o primo falou em alto e bom som que “o Policial Militar era um bosta e que não servia para nada mesmo” – tudo isso, mais uma vez, constando no boletim de ocorrência.

A GOTA D’ÁGUA

Aí foi demais. Assim que o apoio chegou os policiais deram voz de prisão ao homem por desacato e por dirigir sob influência de álcool. Mas valente não se entrega, então até na hora de ser preso ele ofereceu resistência e, mesmo sem algemas, os policiais tiveram que usar a força para deter o homem.

O pai do condutor também foi preso por desacato e ameaças contra os policiais, e também responderá por fraude processual por tentar enganar a justiça quando afirmou que era ele quem dirigia o carro.

O jovem que conduzia o carro, com apenas 19 anos, poderia ser visto como o mais sensato da família – mas os policiais perceberam que ele também dirigia sob efeito de álcool e, apesar de dizer que não tinha consumido bebida alcoólica e negar-se a fazer o teste do bafômetro, foi colocado em observação no UPA, onde foi constatado que ele tinha a capacidade psicomotora alterada.

Corolla ficou destruído. Foto: Divulgação Corpo de Bombeiros

Comentários