26/09/2013 10h08 – Atualizado em 26/09/2013 10h08

Assassinatos de mulheres em Mato Grosso do Sul está acima da média nacional

De 2009 a 2011, a cada 100 mil moradoras de MS, 6,44 foram mortas por seus parceiros íntimos

Da Redação

A média de morte de mulheres por violência em Mato Grosso do Sul é maior do que a média nacional. De 2009 a 2011, a cada 100 mil moradoras no Estado, 6,44 foram mortas por seus parceiros íntimos. Enquanto que a média brasileira é de 5,82. Com a estatística, MS ocupa a 14ª colocação no ranking das unidades da federação com mais assassinatos. É o que aponta o estudo divulgado ontem pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

De acordo com o Instituto, a região Centro-Oeste é a segunda com mais homicídios. São 6,86 para cada 100 mil mulheres, contra 6,9 (Nordeste), 6,42 (Norte), 5,14 (Sudeste) e 5,08 (Sul). Para a delegada Rosely Molina, da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM) em Campo Grande, a taxa está relacionada à cultura masculina. “Em nossa região e também Nordeste e Norte, o povo é mais rígido culturalmente”, opinou, referindo-se ao nível de violência.

O estudo também comparou período anterior e posterior à criação da Lei Maria da Penha (2006) e constatou que não houve redução de homicídios. As taxas de mortalidade por 100 mil mulheres foram 5,28 (2001-2006) e 5,22 (2007-2011). Dados rebatidos por Molina. “A lei é importante e eficiente. Amparada, a mulher tem mais coragem, denuncia mais. Isso faz com que crimes mais graves como o homicídio não aconteçam. Na Capital, em 2004 (antes da lei), foram 1.786 ocorrências por agressões e em 2008 (depois), 4.684.

(*) Com informações de Correio do Estado

Para a delegada, a alta taxa de crimes contra a mulher está relacionada à cultura masculina(Foto: Álvaro Rezende / Correio do Estado)

Comentários