05/07/2014 11h49 – Atualizado em 05/07/2014 11h49

Novo celeiro da celulose, Ribas do Rio Pardo apresenta definições sobre a implantação da CRPE Holding

A nova fábrica de celulose de Mato Grosso do Sul começará a ser construída em janeiro de 2015 e promete alavancar e consolidar a economia local com a produção, a partir de 2018, de 2.200.00 toneladas de celulose branqueada por ano

Ricardo Ojeda e Larissa Lima

Na noite de quinta-feira (3), o primeiro passo em direção à materialização de um projeto esperado pela população e governo de Ribas do Rio Pardo foi dado com a apresentação do Relatório de Impacto Ambiental (RIMA), que regulamenta a implantação da Celulose Rio Pardense e Energia – CRPE Holding S.A. A terceira fábrica de celulose de Mato Grosso do Sul deve ter as obras iniciadas em janeiro de 2015, com previsão de funcionamento já para 2018.

Com a presença maciça da população e autoridades, o RIMA foi apresentado durante uma audiência pública no Ginásio de Esportes Rosa Mosso, em Ribas do Rio Pardo. Na ocasião, foram expostas as informações referentes ao licenciamento ambiental para a implantação da fábrica.

INVESTIMENTO

Conforme bem definiu o deputado estadual Eduardo Rocha, o investimento que será aplicado é um anseio de inúmeros municípios dos diferentes estados brasileiros. Ao todo, R$ 8 bilhões serão injetados no novo empreendimento. Deste total, R$ 4 bilhões serão usados para a edificação das instalações da fábrica e o restante, na composição de florestas de eucalipto e ações de logística.

FÁBRICA

Localizada a cerca de oito quilômetros do centro urbano de Ribas do Rio Pardo, a fábrica já tem o início das obras definido para janeiro de 2015, sob a fiscalização da empresa Pöyry, que assim como fez para a Fibria e Eldorado Brasil, prestará consultoria no projeto de engenharia.

Com expectativa de iniciar as atividades em 2018, a fábrica terá capacidade de produzir 2.200.000 toneladas de celulose branqueada de eucalipto por ano. Além da celulose, o empreendimento também será responsável pela produção de energia excedente.

A estrutura, que será montada com a mão de obras de aproximadamente 8 mil trabalhadores, contará com estação de captação e tratamento de água, tratamento e disposição adequada de efluentes, sistema de tratamento e disposição de resíduos sólidos industriais, bem como a implantação de um ramal ferroviário.

DIFERENCIAL COMPETITIVO

Segundo o diretor da CRPE Holding, Vicente Conte Neto, ainda na planta, a empresa já conta com parte da matéria prima disponível para a o funcionamento da fábrica. A empresa já conta com 52 mil hectares de florestas de eucalipto, que começaram a ser plantadas em 2013.

Questionado pela reportagem do Perfil News a respeito das questões logísticas, Conte Neto disse: “nosso diferencial é que a matéria-prima está no nosso quintal”. Isto porque, diferente de Fibria e Eldorado Brasil, que precisam se descolar por um raio de até 400 km para fazer o corte das árvores, a CRPE contará com florestas próximas à unidade fabril.

Por outro lado, a nova indústria do ramo de celulose precisará construir um ramal ferroviário para ter acesso aos trilhos que escoarão a produção até o porto de Santos – SP, o que, para a Eldorado Brasil e Fibria não foi necessário, uma vez que a produção da primeira é transportada por meio de três modais: rodovia, ferrovia e hidrovia.

Ainda de acordo com Conte Neto, a “vantagem” que as concorrentes têm no transporte e escoamento da produção é perdido no memento da colheita da matéria-prima.

CONSOLIDAÇÃO DA ECONOMIA

“Assim como aconteceu com Três Lagoas, após a implantação da Fibria e Eldorado Brasil, a economia de Ribas do Rio Pardo se consolidará com a chegada do novo empreendimento”, afirmou a vice-governadora Simone Tebet, que representou o governador André Puccinelli. Ainda em sua fala, a ex-prefeita de Três Lagoas falou da satisfação de presenciar um passo como o que está sendo dado por Ribas do Rio Pardo. “É a repetição de um filme que eu já vi”, disse Simone se referindo o desenvolvimento exponencial pelo qual Três Lagoas passou.

Para o prefeito de Ribas do Rio Pardo, José Domingues Ramos, conhecido como Zé Cabelo (PSDB), receber a indústria na cidade é um motivo de muita alegria e orgulho. Em seu pronunciamento, afirmou que “desde que a cidade foi cogitada para ser a sede da fábrica, a economia local fico mais dinâmica”, pontou.

PRESENÇAS

Prestigiando o início de uma nova era econômica em Ribas do Rio Pardo, também estiveram presentes, além de Simone Tebet, do deputado estadual Eduardo Rocha e o prefeito Zé Cabelo, o deputado federal Geraldo Resende; deputado estadual Marcio Monteiro; prefeita de Três Lagoas, Marcia Moura e o prefeito de Água Clara, Silas José. Vereadores também participaram da audiência pública.

Autoridades políticas, investidores, além do representante da Pöyry Consultoria participaram da Audiência Pública realizada n anoite de quinta-feira em Ribas do Rio Pardo (Fotos: Ricardo Ojeda e Edivelton Kologi)

População compareceu em massa para participar dos debates da Audiência Pública

Comentários