Cabo Cosme Damião de Oliveira, de 59 anos, morreu ontem em decorrência de parada cardiorrespiratória

O 5º Grupamento de Bombeiros Militar de MS (CBMMS) emitiu nota de pesar pelo falecimento do Cabo Cosme Damião de Oliveira, ocorrido nesta terça-feira, 13, no hospital Cassems em decorrência de uma parada cardiorrespiratória. O militar chegou a ser internado neste último fim de semana e foi intubado, mas a equipe médica informou a morte cerebral aos familiares ontem.

O Cabo Bombeiro Militar Cosme Damião de Oliveira tinha 59 anos e ingressou na Polícia Militar de Mato Grosso do Sul em1985 e, posteriormente, ingressou no Corpo de Bombeiros em 1990. Ele foi para a reserva remunerada quando lotado 5º GBM em Três Lagoas após ser incluído na seção de inativos em dezembro de 2010.

O corpo foi velado no cemitério Memorial Park e sepultado no cemitério municipal às 16h.

“Falar do Cosme é muito fácil. Eu o conheci em 1985, na cidade de Paranaíba-MS, ao ingressar na Polícia Militar. Aprendi muito com ele. Era uma amizade branda, sincera e pura. É um amigo e um irmão que deixará muitas saudades.”

(St BM Desig. Nascimento)

“O que falar do nosso amigo Cosme. Conhecido como Cosminho. Conheci ele quando fui para o corpo de bombeiros em 1989. Foi um prazer muito grande ter trabalhado com ele. Uma pessoa muita boa e familiar. Gente boa demais. Vai com Deus meu querido.”

(St BM Desig. Delgado)

“Excelente companheiro e profissional, uns dos melhores piloteiros que já conheci. Aprendi muito com ele sobre resgate de cadáveres. Um grande conhecedor de todos os rios da região. Uma pessoa muito humilde incapaz de maltratar alguém e querido por todos. Nunca conheci ninguém que disse algo de ruim do Cosme, mas conhecido como Cosminho.”

(2º Ten QOABM Túlio)
CB BM Cosme Damião de Oliveira, junto com sua turma de formação em 1990.

O Corpo de Bombeiros Militar de MS, por meio do 5ºGBM, presta os mais sinceros pesares aos familiares e amigos pela perda, e agradecemos imensamente pelos anos de trabalho e dedicação a população sul-mato-grossense.

Comentários