Pescador relata que a força do mar arrebentou as amarras que prendiam as embarcações ao píer. “Eu dependo disso. Já andava difícil por conta da pandemia, imagina agora. Todos que perderam os barcos só vivem da pesca”, disse um pescador

GLOBO.COM – Duas lanchas e sete barcos afundaram na noite desta terça-feira (30) em Peruíbe, no litoral de São Paulo, devido à passagem do ciclone extratropical intenso pela região, conhecido como ‘ciclone-bomba’. Uma forte onda arrebentou as amarras que prendiam as embarcações ao píer, fazendo com que batessem em uma ponte e ficassem totalmente destruídas. Ninguém ficou ferido.

O comandante da Guarda Civil Municipal (GCM) Thiago Cosme confirma que a força da água estourou as cordas que prendiam os barcos, fazendo com que batessem um no outro e afundassem. Ao passar pelo local, a equipe da GCM prestou apoio com iluminação e pulou na água com pescadores para tentar segurar as embarcações. A Prefeitura também enviou equipes para ajudar.

Nove embarcações afundaram e tiveram perda total em Peruíbe — Foto: G1 Santos
Nove embarcações afundaram e tiveram perda total em Peruíbe — Foto: G1 Santos

O incidente ocorreu por volta das 20h, no píer localizado ao lado do Mercado de Peixe Municipal, no Centro da Cidade. Segundo o pescador Nelson De Lara, mais conhecido como ‘Periquito’, de 55 anos, após a onda, os barcos maiores bateram na ponte do Rio Preto e a força da água fez com que quebrassem a casa de máquinas, os levando ao fundo.

“Tivemos grande perda material, os barcos eram todos de pesca. Eu dependo disso e agora serei muito prejudicado. Já andava difícil por conta da pandemia, imagina agora. Todos que perderam os barcos só vivem da pesca. Foi um desespero. É uma vida construindo para perdermos as embarcações do nada. Em mais de 40 anos, essa é a primeira vez que vejo uma correnteza causar tanto estrago. Tinha acabado de chegar em casa quando recebi a notícia. Não sabemos o que fazer, estamos à deriva”.

Em São Paulo, o “ciclone bomba” trouxe frente fria e provocou rajadas de vento de mais de 50 km/h na capital paulista.

Comentários