21/05/2015 16h52 – Atualizado em 21/05/2015 16h52

Uma das vítimas procurou a delegacia para denunciar um empréstimo no valor de R$3.500 e no mesmo dia, foi realizada transferência de R$4.300 de sua conta para uma conta jurídica

Fábio Jorge

Coincidentemente, nos dois últimos dias, a Polícia Civil registrou dois boletins de ocorrência por estelionato, onde clientes da agência do Banco Bradesco em Três Lagoas tiveram suas contas invadidas e perderam boa quantia em dinheiro.

O primeiro caso foi registrado na terça-feira (19), quando a senhora E.F.N (39) observou que foram realizados em sua conta pessoal um empréstimo e uma transferência. De acordo com o boletim de ocorrências nº 1429/2015, a vítima procurou a delegacia para denunciar um empréstimo no valor de R$3.500 e no mesmo dia, foi realizada transferência de R$4.300,00 de sua conta para uma conta jurídica, sendo J.P.S -ME. A vítima relata que não realizou tais operações, ficando configurado que sua conta foi invadida.

A segunda vítima, sendo I.F.T.Q (36), também cliente do Banco Bradesco, alegou que foram realizados dois pagamentos eletrônicos através de sua conta, nos valores de R$ 509,22 e R$ 1.794,98, totalizando um prejuízo de R$ 2.303,44. O boletim de número 758/2015 foi elaborado na 3ª Delegacia Civil, onde a vítima relatou que estava acessando sua conta via internet, quando seu computador travou e na data de hoje (21), ao conversar com o gerente da agência ficou sabendo das transações. Ambos os casos serão encaminhados para o Setor de Investigações Gerais (SIG) que irá apurar os fatos.

CUIDADOS COM ACESSO PELA INTERNET

O delegado Ailton Pereira de Freitas orienta aos correntistas que acessam suas contas pela internet, que o cuidado deve ser redobrado, principalmente com páginas duvidosas, que não são da própria instituição financeira. Nunca esquecer-se de sair do campo de acesso, para não ter as informações e senha copiadas. Outro cuidado que o delegado pontua é sobre o acesso em lan house ou computadores que várias pessoas utilizam. Alguns sistemas conseguem armazenar os dados e senhas sem a pessoa saber, facilitando a atividade ilícita de pessoas de má fé. “Os sites seguros dos bancos possuem um sistema de proteção aos usuários. Aqueles que não tem esse sistema pode ser falso e causar risco e dor de cabeça”, concluiu o delegado.

Comentários