Williams Araújo

CARAS NOVAS

A renovação tende a ser grande na Assembleia Legislativa na primeira legislatura após o escândalo do “mensalinho” denunciado pelo deputado estadual Ary Rigo (PSDB), prevêem analistas políticos. Para começar, apenas 18 dos 24 representantes do povo estão em campanha rumo à reeleição.

É que três deles desistiram de postular a reeleição – Jerson Domingos (PMDB), Dione Hashioka (PSDB) e Antonio Carlos Arroyo (PR) -, enquanto que Carlos Marun (PMDB) e Márcio Monteiro (PSDB) concorrem à Câmara dos Deputados. Londres Machado (PR) é candidato a vice de Delcídio do Amaral (PT).

TRISTE LEMBRANÇA

No dia 21 de setembro de 2010, um vídeo com declarações de Rigo ganhou o mundo, comprometendo, além da classe política, alguns magistrados. Na gravação, ainda em evidência no Youtube, o então deputado diz haver um esquema de distribuição de dinheiro que favorecia parlamentares, desembargadores e membros do MPE-MS.

“Lá na Assembleia, nenhum deputado ganhava menos de R$ 120 mil”, abriu o bico o tucano, então primeiro secretário da Mesa Diretora da Assembleia, à época. Por causa disso, não se reelegeu.

BATE-REBATE

Não chamem para sentar a mesma mesa o governador André Puccinelli (PMDB) e o deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB), porque o clima pode esquentar, principalmente depois que o tucano disse durante seu programa de rádio e televisão que Mato Grosso do Sul tem o pior desempenho econômico entre os estados do Centro Oeste.

Além de se queixar publicamente da estocada, o italiano disse durante a abertura da Feira do Empreendedor que o Estado é um dos mais competitivos do Brasil devido, entre outros fatores, a concessão de incentivos fiscais e tributários a várias empresas.

1º ROUND

O candidato do PT ao governo do Estado ganhou direito de resposta por conta da matéria intitulada “Delcídio é intimado para depor na CPI da Petrobras”, publicada na edição do último dia 7 pelo Jornal Correio do Estado.

O direito de resposta foi deferido pelo TRE (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) porque, em representação, o petista alegou que “houve apenas protocolo de requerimento no sentido de que o presidente da CPI solicitasse a presença do representante para prestar esclarecimentos e que o referido pedido nem sequer teve trâmite”.

JUNTOS E MISTURADOS

O “piseiro” foi grande na Capital no último sábado, quando os candidatos a governador Nelsinho Trad (PMDB) e Delcídio (PT) levaram uma multidão para a Avenida Afonso Pena, no centro da cidade.

Estima-se que cerca de 2 mil militantes ocuparam a Avenida Afonso Pena entre as ruas Pedro Celestino e José Antônio, deixando o trânsito lento no sentido Shopping Campo Grande-Centro. Apesar de se acotovelarem no mesmo espaço, petistas e peemedebistas não quebraram o pau, desta vez.

Comentários