Objetivo é que trabalhadores sejam imunizados em faixa etária decrescente

Com o intuito de não só imunizar o maior número de profissionais da segurança pública de Mato Grosso do Sul, como também proteger os servidores que correm mais risco no dia a dia diante da pandemia do novo coronavírus, o deputado estadual Coronel David (sem partido), solicitou durante sessão na Assembleia Legislativa nesta terça-feira (6), que sejam adotadas mudanças imediatas em relação à vacinação desses servidores. O pedido foi destinado ao governador do Estado, Reinaldo Azambuja, bem como aos secretários responsáveis pela saúde e segurança do Estado.

O parlamentar solicitou como prioridade e urgência a imunização dos profissionais da segurança, policiais e Bombeiros Militares, policiais civis, penais, agentes de medidas socioeducativas e servidores da atividade desde o dia 8 de fevereiro, pedido que foi atendido no último final de semana.

No entanto, o Coronel David, pede que a estratégia de aplicação das vacinas seja alterada por necessidade e siga o critério de maior exposição ao risco. Primeiramente deverão ser vacinados os escalados nas chamadas atividades-fim das corporações, e estes, seguirem de forma decrescente de faixa etária (sendo do mais velho para o mais novo) e, somente após terem sido protegidos todos da atividade-fim, poderão ser imunizados os das atividades-meio.

O deputado defende que todos esses profissionais têm o direito e merecem a vacina, mas que neste momento de pandemia mais rigorosa, é necessário que os critérios dentro da categoria sejam modificados para melhor atender os servidores. Isso porque antes da imunização, muitos estavam morrendo em decorrência da doença em Mato Grosso do Sul.

“Peço ao governador Reinaldo e principalmente ao secretário de saúde Geraldo, para que possam cumprir essa providência, porque o que estamos vendo é que aqueles que estão em embate direto estão tendo que esperar mais tempo para vacinação, não tiro o mérito de ninguém que merece ser vacinado, mas ao contrário dos que estão na atividade-meio, não estão tão expostos ao risco de contaminação como estão aqueles no combate direto na atividade-fim das instituições”, explicou o deputado.

O parlamentar completou dizendo que os trabalhadores da segurança pública entregam suas vidas em risco cotidianamente em prol da sociedade, então, neste momento de extrema gravidade, a exposição ao risco é ainda maior, pois estão empenhados em garantir, além da lei e da ordem, o cumprimento de vários decretos emanados pelas autoridades estaduais e municipais.

Comentários