17/01/2013 09h00 – Atualizado em 17/01/2013 09h00

Indústria laticínia estadual prevê crescimento de até 5% neste ano

O segmento estima movimentar algo em torno de R$ 96,8 milhões ao longo deste ano de 2013 no Estado

Da Redação

As indústrias laticínias de Mato Grosso do Sul estimam crescimento de até 5% neste ano sobre o faturamento líquido de R$ 92,2 milhões obtido no ano passado, o que representará um montante de R$ 96,8 milhões, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems. Segundo a presidente do Silems (Sindicato das Indústrias de Laticínios do Estado), Milene Nantes, esse avanço só será possível caso o Governo do Estado crie mecanismos de estímulo para fomentar a produção estadual.

“Mais uma iniciativa importante é a qualificação dos produtores rurais, além da adoção de novas tecnologias por parte da indústria. Esses serão fatores de destaque que contribuirão para o crescimento do segmento”, declarou Milene Nantes, acrescentando que o interesse das indústrias é de investir na maior qualidade do produto comercializado no Estado.

Ela destaca ainda que em 2012 um grande avanço foi a assinatura do termo de cooperação institucional para a realização do Projeto de Desenvolvimento da Bacia Leiteira na Região Central de MS: o Leite Forte. “O projeto revitaliza a pecuária leiteira sul-mato-grossense de forma sustentável, profissionalizada e melhorando a renda dos produtores na região central do Estado. O Leite Forte, com certeza, traz muitos benefícios para as indústrias do Estado, pois por meio desse projeto, poderemos incrementar a produtividade e a qualidade do leite produzido no nosso Estado”, declarou.

Outro destaque foi a entrega de um documento de ações prioritárias da Política Nacional do Leite entregue aos ministros da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, e do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas. O documento foi estruturado durante a 1ª Conferência Nacional do Leite, que reuniu representantes da cadeia produtiva do segmento para discutir as propostas que irão auxiliar na elaboração de uma política para o desenvolvimento do setor.

A presidente do Silems acrescenta que as propostas foram estão divididas em 11 temas: sanidade, defesa comercial, capacitação e assistência técnica, políticas de crédito, tributação, infraestrutura e logística, promoção comercial, legislação, fiscalização, pesquisa e desenvolvimento e organização do setor. Entre as propostas, em destaque está o reforço para a restrição das importações de leite em pó e queijo de países do Mercosul, a partir da renovação de cotas para a entrada destes produtos no Brasil. Na questão tributária, um dos itens abordados foi a cobrança de PIS/Cofins sobre rações e suplementos usados na alimentação do rebanho.

Mato Grosso do Sul é responsável por 1,7% da produção nacional de leite com média de produtividade de 968 litros de leite ao ano, sendo que o Estado possui atualmente 79 estabelecimentos, que empregam 982 trabalhadores. “Levando em conta a predominância da pecuária de gado de corte no Estado, a pecuária leiteira tem ganhando forças no cenário industrial e as perspectivas são boas para o próximo ano”, disse Milene Nantes.

(*)Informações da Assessoria de Comunicação da Fiems

Comentários