16/04/2014 08h56 – Atualizado em 16/04/2014 08h56

A DENAR (Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico) realizou na manhã desta terça-feira (15) na Unidade II do frigorífico JBS Friboi, localizado na BR-060, na saída para Sidrolândia, a incineração de 35,4 toneladas de drogas, apreendidas nos últimos meses em Campo Grande (MS) e no interior do Estado

Da Redação

A DENAR (Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico) realizou na manhã desta terça-feira (15) na Unidade II do frigorífico JBS Friboi, localizado na BR-060, na saída para Sidrolândia, a incineração de 35,4 toneladas de drogas, apreendidas nos últimos meses em Campo Grande (MS) e no interior do Estado.

Ao todo foram destruídas durante a primeira incineração de drogas do ano, na Capital, 35 toneladas de maconha e 400 quilos de cocaína, crack e outras drogas. De acordo com o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Wantuir Jacini, outras 3,6 toneladas de drogas foram queimadas, em incinerações realizadas em municípios do interior.

Durante discurso no ato de incineração, o Delegado-Geral, Dr. Jorge Razanauskas Neto, destacou a importância da destruição de drogas, que é de competência exclusiva dos delegados de polícia, que antes realiza as investigações para apurar o crime de tráfico, através da instauração do inquérito policial.

O delegado titular da DENAR, Dr. Rodrigo Yassaka, responsável pela realização da incineração de drogas, enfatizou que a unidade policial além de trabalhar na repressão do tráfico, prendendo os envolvidos nesse tipo de crime e tirando entorpecentes de circulação, ainda finaliza o trabalho, destruindo as drogas, como aconteceu na manhã de hoje.

120 TONELADAS

O secretário Jacini enfatizou que durante as incinerações realizadas em Campo Grande ao longo de 2013, foram destruídas 120 toneladas de drogas, que foram tiradas de circulação na Capital e também nas cidades do interior do Estado. Ao todo foram instaurados em Mato Grosso do Sul, pela Polícia Civil, secundo o secretário, 4.632 procedimentos para apurar o tráfico de drogas, a maioria deles com prisões em flagrante .

A última incineração de drogas da DENAR aconteceu em 3 de outubro do ano passado, quando foi montada uma mega operação, que contou com o apoio do Exército Brasileiro, através do Comando Militar do Oeste, para a destruição de mais de 36 toneladas de maconha, cocaína, crack, haxixe e drogas sintéticas, como o “ecstasy”, “XTC”, “Adam” e “droga do amor”.

Participaram da solenidade o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Wantuir Jacini, o Delegado-Geral da Polícia Civil, Dr. Jorge Razanauskas Neto, o promotor Renzo Siufi, supervisor promotorias criminais, representando o Ministério Público Estadual, os fiscais sanitários Fabrício Buthevicius Barbosa e Antônio João Alves, da Secretaria de Estado de Saúde, bem como os peritos criminais Cláudio Miguita e Evandro Rodrigo Pedão.

Diretores da Polícia Civil, o Coordenador Geral de Perícias do Estado, Nelson Firmino, promotores, o comandante coronel Osnei Nazareth Duarte e policiais do DOF (Departamento de Operações de Fronteira), militares do Exército Brasileiro e agentes da Polícia Rodoviária Federal, também marcaram presença do evento.

APREENSÕES

Em visita recente a Campo Grande, Regina Miki, Secretária Nacional de Segurança Pública, afirmou que os números do Ministério da Justiça mostram que Mato Grosso do Sul é o brasileiro com maior apreensão de drogas, tirando de circulação 80% do total de entorpecentes apreendidos no país.

Para se ter uma idéia, os números da Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), mostram que em 2012 foram apreendidos 87 toneladas e 608 quilos de drogas em todo o Estado, já em 2013 esse número subiu para 136 toneladas e 197 quilos de drogas. No ano passado foram tirados de circulação no Estado 1 tonelada e 194 quilos de cocaína, 134 toneladas e 831 quilos de maconha e mais de 200 quilos de outras drogas, como as sintéticas por exemplo.

Na Capital foram apreendidos ao longo de 2013, 544 quilos de cocaína e derivados, 53 toneladas e 804 quilos de maconha e derivados e 9,3 quilos de outras drogas, totalizando 54 toneladas e 804 quilos de drogas.

Para o secretário de Justiça e Segurança Pública, Wantuir Jacini, o expressivo número de apreensões de drogas do Estado se deve especialmente a atuação dos policiais. “Nossas polícias são eficientes e desenvolvem um excelente trabalho na prevenção e repressão a todos os crimes, com destaque para as apreensões de drogas, esclarecimento de homicídios e prisões”, afirma.

(*)Com informação de Policia Civil

Foram destruídas durante a primeira incineração de drogas do ano, na Capital, 35 toneladas de maconha e 400 quilos de cocaína, crack e outras drogas (Foto: Policia Civil)

A importância da destruição de drogas, que é de competência exclusiva dos delegados de polícia, que antes realiza as investigações para apurar o crime de tráfico, através da instauração do inquérito policial (Foto: Policia Civil)

Comentários