UTIs nas redes pública e particular da cidade estão lotadas

Chapecó, no Oeste de Santa Catarina, teve 73% dos testes realizados na manhã deste domingo (14) com resultado positivo para coronavírus. O anúncio foi feito pelo prefeito João Rodrigues, em transmissão ao vivo na internet, para alertar a população sobre a gravidade da situação de hospitais e ambulatórios da cidade do Oeste de Santa Catarina.

Segundo Rodrigues, a cidade está em colapso. “Estamos em estágio de colapso, não é mais quase, é colapso.. Se você tiver um milhão de reais no bolso agora, e precisar internar a sua esposa numa UTI em Chapecó, não vai ter lugar”, disse.

De acordo com o prefeito, foram realizados 53 testes no ambulatório de Covid-19 do município. A suspeita da prefeitura é de que o nível de contaminação represente a presença da variante da Covid-19, que teve o primeiro caso confirmado nesta semana em Santa Catarina. No entanto, o secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, já afirmou que não é possível, neste momento, relacionar a situação no Oeste com a circulação de novas cepas.

– O nível de contágio é alarmante e estamos tendo que transferir diariamente pacientes dos hospitais para outros municípios. Algumas pessoas têm me criticado por fechar escolas, bares e igrejas, mas é uma medida necessária para frear o contágio – disse o prefeito.

Durante a transmissão ao vivo, o diretor do Hospital Regional do Oeste, Osmar de Oliveira, revelou que a unidade tem 63 pacientes internados em leitos de UTI na ala de Covid-19 e em outros setores. Destes, 50 deram entrada no hospital nos últimos dez dias. Na última atualização do governo do Estado, a região Oeste estava com 100% de ocupação nos leitos de Covid-19.

A situação alarmante na região levou a prefeitura de Chapecó a anunciar medidas mais rígidas para frear o contágio do coronavírus. O município determinou a suspensão das atividades em bares, choperias, petiscarias e semelhantes, e também proibiu a abertura de cinemas, teatros e museus. O decreto atende a uma recomendação feita pelo Ministério Público de Santa Catarina.

(*) Portal NSC

Comentários