14.9 C
Três Lagoas
quinta-feira, 30 de junho, 2022
InícioNotíciasEstudo de demanda mostra viabilidade do Corredor Oeste de Exportação

Estudo de demanda mostra viabilidade do Corredor Oeste de Exportação

Ministro Tarcísio revela que investidores estão interessados na Malha Oeste e pede para Dnit acelerar projeto da Rota Bioceânica

Estudo de demanda apresentado nesta terça-feira (18), no Ministério da Infraestrutura, mostrou a viabilidade do Corredor Oeste de Exportação. A apresentação foi feita pelo coordenador do Plano Estadual Ferroviário, Luiz Henrique Fagundes, em uma reunião com a participação dos governadores Reinaldo Azambuja (MS) e Ratinho Junior (PR) e o ministro da Infraestrutura, Tarcisio Gomes de Freitas. 

O levantamento revelou que Mato Grosso do Sul terá a maior redução de custo de transporte com a Nova Ferroeste, podendo chegar a 30% em relação ao frete rodoviário. Além da apresentação do projeto de desestatização da Nova Ferroeste, o evento contou com a assinatura do contrato de concessão da área destinada à movimentação de veículos no Porto de Paranaguá.

Para o governador Reinaldo Azambuja, o modal vai ser importante para escoar as riquezas produzidas, ainda mais com a projeção do crescimento da área de agricultura em 1,8 milhão de hectares em Mato Grosso do Sul nos próximos anos, o que vai potencializar as exportações.

Além disso, a chegada de empreendimentos como a fábrica de celulose da Suzano vão ajudar a impulsionar o comércio internacional. “Esse é um trabalho conjunto, com equipe da Ferroeste, do Paraná, de Mato Grosso do Sul e do Ministério da Infraestrutura. É um projeto essencial para dar competitividade. Hoje o frete de Mato Grosso do Sul é rodoviário e o porto de Paranaguá já é o grande destino das riquezas do nosso Estado”, disse Reinaldo Azambuja. 

A nova fábrica de celulose da Suzano foi anunciada ao mercado na semana passada. A unidade em Ribas do Rio Pardo será a maior do mundo, com investimento de R$ 14,7 bilhões e geração de 10 mil empregos diretos até 2024.

A Nova Ferroeste vai ligar Maracaju ao porto de Paranaguá. O traçado será o seguinte: Maracaju, Amambai, Guaíra e Cascavel. Em Cascavel haverá duas ramificações: uma indo a Foz do Iguaçu e a outra seguindo por Guarapuava, passando por Balsa Nova e chegando a Paranaguá.

Malha Oeste 

O ministro Tarcisio Gomes de Freitas afirmou ainda ter recebido contato de muitos empresários interessados na licitação da Malha Oeste, que vai se conectar com a Ferroeste em Maracaju. “Tivemos uma grande surpresa. O ministro disse que sistematicamente, toda semana, recebe grupo de investidores interessados na Malha Oeste. Isso nos deixou bastante empolgados”, contou o secretário Jaime Verruck (Meio Ambiente, Desenvolvimento, Produção e Agricultura Familiar).

Reinaldo Azambuja contou ainda ter pedido ao senador Nelsinho Trad, que é líder do PSD no Senado e coordenador da bancada de Mato Grosso do Sul, para colocar o PLS 261 como prioridade na pauta. O projeto de lei permite à iniciativa privada a construção e a operação de suas próprias ferrovias. Além disso, o Governo de Mato Grosso do Sul avalia a criação de um projeto de lei semelhante em âmbito estadual.

Rota Bioceânica

Em relação a Rota Bioceânica, o ministro da Infraestrutura assumiu o compromisso de pedir ao Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) para antecipar a entrega dos projetos de acesso à ponte entre Porto Murtinho e Carmelo Peralta, que seriam finalizados até o fim do ano pela empresa contratada.

O compromisso foi firmado após o governador Reinaldo Azambuja ter destacado o restabelecimento do cronograma da construção da ponte, com a garantia do diretor-presidente da Itaipu Binacional Paraguai da licitação no dia 1º de julho.

Também participaram da solenidade o diretor-presidente da Ferroeste, André Gonçalves; o coordenador do Grupo de Trabalho Ferroviário do Estado do Paraná, Luiz Henrique Fagundes; o assessor especial do Ministério da Infraestrutura, Marcos Felix; o chefe da Assessoria de Assuntos Parlamentares, Elias Brito; a secretária de Fomento, Planejamento e Parcerias do Ministério da Infraestrutura, Natália Marcassa; a secretária Especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Martha Seillier; a secretária de Apoio ao Licenciamento Ambiental e à Desapropriação, Rose Hofmann; o secretário de Parcerias em Transportes, Thiago Caldeira, e os secretários do Paraná Sandro Alex (Infraestrutura e Logística) e Norberto Ortigara (Agricultura e Abastecimento); além do diretor-presidente da empresa pública Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

Comentários
MATÉRIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

error: Este Conteúdo é protegido! O Perfil News reserva-se ao direito de proteger o seu conteúdo contra cópia e plágio.