17/10/2013 14h16 – Atualizado em 17/10/2013 14h16

Exposição de arte em placa de celulose retrata o progresso industrial de Três Lagoas

Por meio do projeto Arte no Bairro, realizado pela Casa da Cultura em parceria com a Fibria, estão em exposição 28 telas.

Da Redação

Com o tema “Três Lagoas, da Celulose ao Progresso”, a Casa da Cultura, em parceria com a Fibria, expõe até o dia 31 de outubro, na Biblioteca Municipal Rosário Congro, 28 telas criadas pelos alunos do projeto Arte no Bairro, que retratam as principais indústrias de Três Lagoas.

Pelo terceiro ano consecutivo, a Fibria apoia a iniciativa desenvolvida pela artista plástica Nilva Barroso, que desenvolveu a técnica pioneira da pintura a óleo sobre a placa de celulose e por meio de projetos sociais, fomenta a arte entre jovens e adultos.

Devido ao crescimento industrial de Três Lagoas, a ideia foi apresentar aos alunos um breve histórico sobre as principais indústrias do município. “A nossa cidade teve um crescimento muito grande nos últimos anos e muitos alunos não sabiam que havia empresas tão importantes de segmentos diversos em nosso município”, explica Nilva.

Durante as aulas de história da arte, a professora Ava Costa comentou sobre o surgimento do papel e da matéria prima celulose. “É importante que os alunos conheçam as várias utilidades do eucalipto, que além da fabricação do papel também está inserido na arte, pois ele é o componente fundamental na transformação da celulose em obras de arte através do projeto Arte no Bairro”.

O vice-prefeito Luiz Akira, que esteve presente na cerimônia de abertura, parabenizou a Fibria e a Casa da Cultura pela iniciativa do projeto. “Desde quando a Fibria chegou ao município ela tem sido parceira da administração e não tem medido esforços quanto a iniciativas sociais e sustentáveis. Quero agradecer, em especial, este projeto por dar a oportunidade dos nossos jovens conhecerem a arte e ocupar o tempo livre com a cultura”.A estudante Thaila Bianca Marques Lopes, de 13 anos, participa do projeto desde março e já pintou cinco telas. Autora de uma das telas sobre as indústrias de Três Lagoas, Thaila disse que o tema da exposição proporcionou um melhor conhecimento sobre as indústrias da cidade. “Eu conheci indústrias que não sabia que existia em Três lagoas e vi o quanto a cidade cresceu”.

A exposição “Três Lagoas, da Celulose ao Progresso”, permanece aberta ao público no hall da Biblioteca Municipal Rosário Congro até o dia 31 de outubro com visitação de segunda a sexta-feira, das 7h15 às 17h.

ARTE NO BAIRRO

Em sete meses, em 2013, o projeto já atendeu mais 130 alunos que resultaram em cerca de 500 telas. “Durante as aulas, os alunos também participam de uma introdução sobre a história da arte para que possam compreender o estilo de pintura proposto pelos temas. Já trabalhamos o tema livre, Impressionismo, Portinari, Monet e agora estamos estudante o Romero Brito”, diz Nilva.

Atualmente o projeto é realizado no Bairro Guanabara e no Bairro JK e o objetivo é que a ação social atenda até dezembro cerca de 250 jovens, na faixa etária de 12 a 29 anos.

FIBRIA

Líder mundial na produção de celulose de eucalipto, a Fibria possui capacidade produtiva de 5,3 milhões de toneladas anuais de celulose, com fábricas localizadas em Três Lagoas (MS), Aracruz (ES), Jacareí (SP) e Eunápolis (BA), esta última onde mantém a Veracel em joint venture com a Stora Enso. Em sociedade com a Cenibra, opera o único porto brasileiro especializado em embarque de celulose, Portocel (Aracruz, ES). Com uma operação integralmente baseada em plantios florestais renováveis, a Fibria trabalha com uma base florestal de 970 mil hectares em áreas localizadas nos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e Bahia, dos quais 343 mil são destinados à conservação ambiental. A Fibria mantém 18.900 trabalhadores, entre empregados próprios e terceiros permanentes, incluindo Portocel, e está presente em 254 municípios de sete Estados brasileiros (dados de dez/2012).

(*) Com informações de Assecom Fibria

Devido ao crescimento industrial de Três Lagoas, a ideia foi apresentar aos alunos um breve histórico sobre as principais indústrias do município (Foto: Divulgação/Assecom)

A exposição “Três Lagoas, da Celulose ao Progresso”, permanece aberta ao público no hall da Biblioteca Municipal Rosário Congro até o dia 31 de outubro (Foto: Divlgação/Assecom)

Comentários