11/04/2018 08h16

Bandidos se passaram por clientes e tiraram fotos da vítima durante as ameaças. Caso foi em Campo Grande

Redação

Um fretista de Campo Grande, de 41 anos, foi mais uma vítima de golpe e teve a caminhonete roubada, em Mato Grosso do Sul. Ele foi ameaçado de morte e ficou horas amarrado em um matagal, na terça-feira (10).

O trabalhador contou à polícia que os suspeitos entraram em contato pela manhã através de telefonema para o filho dele, pois toda a família ajuda nas contratações, e às 14h30 (de MS) estava no local combinado para fazer uma suposta mudança.

Ao chegar no endereço indicado, uma mulher o recepcionou e em seguida foi rendido por três bandidos, dois deles com armas de fogo. Os assaltantes tiraram fotos dele e disseram que o matariam.

Logo depois, a mulher e mais dois suspeitos saíram com a caminhonete e a vítima foi encapuzada por mais três bandidos e levada em outro veículo para um matagal no Jardim Noroeste.

Segundo informações do boletim de ocorrência, o fretista ficou no matagal sob a vigilância de bandidos e amarrado com uma corda. Os assaltantes perguntaram o que ele queria antes de morrer, o trabalhador pediu isqueiro e cigarro e foi atendido.

Por volta das 21h30 os suspeitos deixaram o local, a vítima conseguiu queimar a corda com isqueiro e caminhou por cerca de 50 minutos no mato até chegar em algumas casas, onde pediu socorro e ligou para a polícia.

O fretista entregou à polícia a corda e o isqueiro utilizados. Além da caminhonete, os bandidos roubaram o celular e a carteira da vítima.

O caso foi registrado como roubo majorado pelo emprego de arma, pelo concurso de pessoas e pela restrição de liberdade da vítima.

Outros casos

Nos últimos dias tem sido comum casos de golpe do falso frete. Em alguns, motoristas de fora de Mato Grosso do Sul foram vítimas.

Na semana passada a Delegacia Especializada de Repressão ao Furto e Roubo de Veículos (Defurv) prendeu quatro suspeitos de envolvimento a roubos de caminhões no último mês. Segundo a o polícia, eles pertencem a organização criminosa, que conta com detentos do Presídio de Segurança Máxima.

*G1

Comentários