O local conhecido como Shopping Azul, possuía 150 lojas que comercializavam artigos populares

Corpo de Bombeiros tiveram muito trabalho para conter o avanço das chamas (Fotos capa e interna: Guilherme Baffi)

Um incêndio de grandes proporções destruiu o pavilhão superior do terminal rodoviário Laudo Natel, de São José do Rio Preto (SP), onde funciona o camelódromo da cidade, conhecido como Shopping Azul, que comercializa todo tipo de produtos populares.

De acordo com o Diário da Região o incêndio teve início por volta das 23 horas de sábado, varando a madrugada de domingo, registrando diversas explosões, dificultando os trabalhos do Corpo de Bombeiros. A causa do incêndio ainda não foi revelada e será investigada pela Perícia Técnica da Polícia Civil.

Segundo noticiou o Diário da Região, era por volta das 23hs30 quando o tenente PM Ricardo Alves recebeu o chamado. Equipes do Corpo de Bombeiros se dirigiram rapidamente ao local, enquanto a Polícia Militar e Guarda Civil Municipal interditaram as ruas de acesso o local para evitar a aproximação de populares.

A notícia da ocorrência ganhou as páginas das redes sociais, espalhando rapidamente pela cidade, atraindo os comerciantes que se aglomeraram para acompanhar os trabalhos dos bombeiros no combate ao fogo. No local funcionava 150 lojas que ficaram destruídas pelo fogo.

Alguns comerciantes que possuem lojas no shopping assistiram desolados o fogo devastar o local de onde tiravam seus sustentos, como é o caso do Wilson Gilberto de Oliveira, que possuía uma loja de brinquedos no shopping. “Deixei todo dinheiro que ganhei no mês de janeiro do caixa e agora estou vendo tudo queimado”, disse desolado.

Auxiliaram no combate ao fogo, além do Corpo de Bombeiros, equipes dos caminhões pipas do serviço municipal de Água e Esgoto e de uma usina da região. A prefeitura de São José do Rio Preto distribuiu nota informando que está dando todo apoio e suporte através das secretarias de Serviços Gerais, Defesa Civil, Emurb, Samae e Guarda Municipal.

Ainda não foi divulgado se houve algum registro de vítimas.

(*) Com informações Diário da Região

Comentários