A ordem é do juiz federal Bruno César da Cunha Teixeira

CAMPO GRANDE NEWS – Depois de 6 fases com o governo de André Puccinelli (MDB) na mira, a 7ª etapa na Operação Lama Asfáltica tem como foco contratações do Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul) e como um dos alvos Rodrigo Souza e Silva, filho do governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

De acordo com o site Campo Grande News, policiais federais estiveram no apartamento de Rodrigo, localizado na Rua 13 de Junho, no Centro de Campo Grande, e ainda faz buscas em escritório de advocacia na Avenida Hiroshima, do qual ele é sócio.

Os mandados são de busca e apreensão. O documento, que a reportagem teve acesso, é assinado pelo juiz federal Bruno César da Cunha Teixeira, manda que policiais apreendam “coisas achadas ou obtidas por meios criminosos” e “instrumentos de falsificação ou contratação”, além de “objetos”.

A operação

A PF e a Receita Federal divulgaram que esta 7ª fase da Lama Asfáltica, batizada de Operação Motor de Lama, cumpre 19 mandados em Campo Grande e Dourados.

São 11 de busca e apreensão, 4 medidas restritivas de liberdade e 4 mandados de sequestro e decretação de indisponibilidade de bens de investigados. Segundo a PF, são R$ 40 milhões em confisco de valores.

Equipe com agentes da PF e Receita Federal em um dos endereços “visitados” nesta manhã (Foto: Receita Federal/Divulgação)

A investigação apura irregularidades na contratação de serviços de emissão de CNHs (Carteira Nacional de Habilitação), vistoria veicular e aquisição fictícia de produtos.

Segundo informações da Receita Federal, além da contratação na emissão de CNH, a operação investiga a utilização de contas bancárias de “testas de ferro” e a evasão de divisas, mediante a utilização de “dólar-cabo” para a remessa de valores – crime contra o sistema financeiro nacional, chamado evasão de divisas.

Neste sistema, os recursos são transferidos de forma eletrônica para o exterior, mediante uma rede de doleiros, sem observância das normas legais.

Participam das ações 9 auditores-fiscais e 5 analistas-tributários da Receita Federal, mais de 46 policiais federais e servidores da Controladoria-Geral da União.

Comentários