Mestre em Letras pelo campus da UFMS de Três Lagoas, Fúlvia estava em coma desde 2012 após um acidente de trânsito

Nesta terça-feira (22), a comunidade de doutores, mestres e professores formados pelo curso de Letras do Campus da UFMS (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul), publicaram em suas redes sociais homenagens e despedida à Fúlvia Giaretta, de 40 anos, professora que além de formada pela universidade também trabalhou em Três Lagoas lecionando.

Fúlvia estava há mais de 8 anos acamada, em coma. Seu quadro recentemente complicou para uma pneumonia e ela não resistiu. A professora deixa um esposo e três filhos.

Assim como sua mãe, Célia Giaretta, que morreu recentemente, Fúlvia lecionava espanhol. Após o acidente, Célia cuidou de Fúlvia até os últimos dias de sua vida. Elas estavam morando em Ilha Solteira (SP).

Em sua rede social, o professor Antônio Rodrigues Belon relatou uma de suas visitas à Fúlvia depois do acidente e de perceber expressões discretas que mostravam que ela estava consciente de seu carinho. “Partilho a experiência para aliviar o peso da dor e garantir a leveza do afeto em medidas humanas cabíveis”, concluiu.

A professora Sandra Noia Mina também fez uma publicação lamentando a perda de Fúlvia e relembrando um congresso que participaram juntas. “Fúlvia sempre estará nas minhas memórias como uma mulher sorridente, engraçada e cheia de vida”, frisou.

Por Guta Rufino

Comentários