Confirmação da data dependerá, entretanto, se os índices de contaminação e ocupação de leitos irão regredir

Em reunião realizada ontem, 15, entre o Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul e representantes dos governos estadual e municipal, além de presidentes de sindicatos da categoria e representantes de escolhas e das associações de ensino de Campo Grande, ficou pré-fixada a data de 24 de agosto de 2020 para eventual retorno das aulas na rede privada de ensino na Capital.

Os presentes apresentaram números sobre o evento da pandemia no Estado e, especialmente, em Campo Grande. Essa foi a quarta reunião para discutir o retorno às aulas na Capital.

O eventual retorno às aulas presenciais em escolas particulares de Campo Grande deve ser flexível, permitindo a continuidade das aulas remotas para aqueles pais de alunos que assim preferirem.

Desde a última reunião do grupo, ocorrida em 24 de junho, a situação se agravou bastante no município, com taxas de ocupação de leitos muito acima do esperado. O Secretário de Saúde de Campo Grande, Dr. José Mauro Filho, fez uma apresentação em “data show” com gráficos que demonstraram a atual situação da saúde pública em relação à Covid-19 na Capital, sendo que, até segunda-feira (13 de julho de 2020), haviam sido registrados 4.723 casos confirmados.

A Promotora de Justiça Filomena Aparecida Depolito Fluminhan informou aos Diretores das escolas particulares da Capital, bem como às demais pessoas presentes, que o Ministério Público Estadual não tem a pretensão de manter as escolas particulares fechadas até o final do ano de 2020, mas que os cidadãos campo-grandenses, juntamente com as Instituições, precisam construir uma nova realidade para o próximo mês de agosto de 2020. Concluiu dizendo: “Somos todos responsáveis. Queremos voltar às aulas? Precisamos cumprir os Decretos e denunciar os que não cumprem. Precisamos agir com responsabilidade social”.

Dificuldades e retorno com segurança

A Presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino de Mato Grosso do Sul (Sinepe), Professora Maria da Glória, defendeu o retorno das aulas com segurança e discorreu sobre a preocupação com o cumprimento da carga horária que está sendo reivindicada pelas famílias dos alunos. “Precisamos voltar, queremos voltar com segurança”. Registrou ainda que, infelizmente, na semana passada, 12 escolas particulares de Mato Grosso do Sul que atendiam crianças na faixa etária de 0 a 3 anos de idade fecharam suas portas.

O representante da Associação de Instituições de Ensino Particulares da Capital, professor Lúcio Rodrigues Neto, expôs as dificuldades enfrentadas pelas escolas particulares em razão da Covid-19, asseverou que esta categoria trabalhou no Plano de Biossegurança e reclamou que outros setores retornaram às suas atividades presenciais em Campo Grande, razão pela qual as escolas particulares se sentem desprestigiadas e que terão que dispensar professores.

Próxima reunião

Em 13 de agosto haverá um próximo encontro com as autoridades e representantes das escolas particulares da Capital, no auditório da Procuradoria-Geral de Justiça do MS, quando será verificado se o número de notificações de casos de Covid-19 na Capital regrediu, bem como se a taxa de ocupação de leitos hospitalares não foi superior a 50%.

Informações: MPMS

Comentários