08/10/2013 08h10 – Atualizado em 08/10/2013 08h10

Mutirão dos Correios entrega 8,4 milhões de cartas e encomendas

Mais 1,1 milhão de objetos postais foram triados

Da Redação

Os Correios entregaram neste final de semana (5 e 6) cerca de 8,4 milhões de cartas e encomendas, no mutirão realizado nas localidades em que há paralisação parcial. Além disso, mais 1,1 milhão de objetos postais foram triados (preparados para a entrega). A ação, que contou com a participação de mais de 13 mil trabalhadores, faz parte do Plano de Continuidade de Negócios, que também prevê medidas como deslocamento de empregados entre as unidades e realização de horas extras, a fim de minimizar eventuais atrasos decorrentes da paralisação parcial. Em Mato Grosso do Sul o mutirão contou com 183 trabalhadores, que entregaram aos seus destinatários aproximadamente 230 mil correspondências.

Nesta segunda-feira (7), 93,48% dos empregados (116.360) estão trabalhando normalmente. Entre os empregados da área operacional (carteiros, atendentes e operadores de triagem e transbordo), o índice de trabalhadores presentes é de 92,28%. O número é apurado por meio de sistema eletrônico de presença. Em MS, 92,32% do efetivo trabalham normalmente.

A rede de atendimento está aberta em todo Brasil e todos os serviços, inclusive o SEDEX e o Banco Postal, estão disponíveis – com exceção da postagem, entrega e coleta de encomendas com hora marcada nos locais com paralisação deflagrada. A maior parte dos serviços de hora marcada foi restabelecida em Mato Grosso do Sul, Espírito Santo, Tocantins e Minas Gerais (para postagem e entrega dentro do próprio Estado). Nos Estados do Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Tocantins e Amapá, além da região metropolitana de São Paulo e das regiões de Bauru/SP e Sorocaba/SP, não há paralisação – com esses sindicatos, os Correios já assinaram acordo, que foi protocolado no Tribunal Superior do Trabalho – TST com pedido de extensão aos demais sindicatos.

O julgamento do dissídio coletivo pelo TST ocorre na terça-feira (8), quando o relator do processo, o ministro Fernando Eizo Ono, irá julgar a abusividade da greve e as cláusulas sociais e econômicas da categoria. O julgamento será transmitido ao vivo no Blog das Negociações Trabalhistas dos Correios: http://blog.correios.com.br/acordocoletivo/

DADOS ADICIONAIS

  • a empresa empreendeu todos os esforços junto à Fentect para fechar o acordo, mas neste momento não ocorre negociação. A federação recusou-se a dialogar durante a audiência de conciliação no TST e preferiu deflagrar paralisação parcial, levando ao dissídio. Os Correios aguardam o julgamento do dissídio pelo TST — o que não impede, porém, que outros sindicatos aceitem a proposta oferecida pela empresa e assinem o acordo.

  • proposta dos Correios: reajuste de 8% nos salários (reposição da inflação do período, de 6,27%, com ganho real de mais de 1,7%) e de 6,27% nos benefícios; vale-extra no valor de R$ 650,65, a ser creditado em dezembro e Vale-Cultura dentro das regras de adesão ao Programa implementado pelo Governo Federal.

  • plano de saúde: os Correios já asseguraram que todos os atuais direitos dos trabalhadores estão garantidos – manutenção dos atuais beneficiários (inclusive pais do empregado que já estão cadastrados), cobertura de procedimentos, rede credenciada e percentual de compartilhamento. Não haverá nenhum custo adicional, repasse ou mensalidade aos empregados.

  • entrega matutina: a ECT já assumiu o compromisso de ampliar a entrega matutina, hoje realizada em três Estados.

  • contratações: mais de 20 mil novos trabalhadores foram contratados do concurso público de 2011. A ECT continua contratando normalmente, pois ainda há cadastro de aprovados na maior parte do Brasil, com validade até 2014, e já trabalha na realização do próximo concurso.

(*)Com informações de Assecom Correios

Comentários