Entidade emitiu nota explicando porque é contra a flexibilização do decreto que limita a mobilidade na cidade

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Três Lagoas emitiu nota mostrando-se contrária à decisão da prefeitura de flexibilizar, na próxima segunda-feira, o decreto que limita a mobilidade das pessoas em Três Lagoas, possibilitando a abertura do comércio local.

De acordo com a nota, a entidade afirma não haver base científica que prove que essa é a melhor decisão. “Entendemos as preocupações e os anseios dos comerciantes, mas seguimos na mesma linha anteriormente explanada em razão da gravidade da pandemia que ainda não temos a mínima noção dos efeitos nefastos que podem causar à nossa comunidade de Três Lagoas”, afirma Gustavo Gottardi, presidente da OAB.

Leia a seguir a íntegra da nota:

“Em nome da Diretoria da OAB/Três Lagoas, em coerência com os mesmos argumentos expendidos em nossa manifestação, na segunda-feira, quando passamos a integrar o Comitê de Crise do COVID 19, da Prefeitura de Três Lagoas, que, em sintonia com a OMS e outros países que já enfrentam essa pandemia há mais tempo, determinou o isolamento social com uma quarentena de 15 dias.

Hoje a Prefeitura Municipal decidiu, de acordo com o que fora noticiado, que, na próxima segunda-feira ocorrerá a reabertura do comércio local, interrompendo, portanto, o prazo preestabelecido.

Por coerência, manifestamos nossa posição contrária à revogação do decreto, neste momento, pois, não temos base científica para aferir se a medida está correta ou não.

Entendemos as preocupações e os anseios dos comerciantes, mas seguimos na mesma linha anteriormente explanada em razão da gravidade da pandemia que ainda não temos a mínima noção dos efeitos nefastos que podem causar à nossa comunidade de Três Lagoas.

Continuamos à disposição do Comitê de Combate à Crise para subsidia-los no que for possível e estiver em nossa área de conhecimento.

Gustavo Gottardi- Presidente

Comentários