14/10/2015 13h39 – Atualizado em 14/10/2015 13h39

Onças-pintadas devoram vaca a 1 km de sede de pousada

Fotos registraram quatro animais comendo vaca morta em Aquidauana (MS). Gerente da pousada diz que aparição de onças-pintadas não é comum.

Redação

Quatro onças-pintadas foram fotografadas se alimentando de uma vaca morta em uma fazenda no Pantanal de Mato Grosso do Sul. O flagrante foi a cerca de um quilômetro da sede da pousada Aguapé, em Aquidauana, a 131 km de Campo Grande, entre a noite de segunda-feira (13) e a madrugada de terça-feira (14), segundo a gerente da pousada, Joana Tatoni Murano, 33 anos.

Ela disse ao G1 que as imagens foram feitas com armadilhas fotográficas instaladas pela própria pousada. Segundo ela, a aparição de onças-pintadas não é comum na região e a quantidade também surpreendeu.

“Não é muito comum nessa região a incidência de onça-pintada, mas a gente já teve registro da presença delas, não tão perto da sede quanto dessa vez”, explicou. As onças-pardas são mais frequentes na localidade, segundo a gerente.

Joana conta que as armadilhas fotográficas foram instaladas na noite de segunda-feira, depois que funcionários da fazenda encontraram a vaca morta. O animal estava junto do rebanho quando foi atacado pelo grupo.
“A gente achou o animal morto e, como trabalhamos com ecoturismo, instalamos as câmeras perto da carcaça da vaca depois que duas onças-pintadas tinham sido vistas a olho nu pelo pessoal daqui”, explicou.

Na manhã do dia seguinte, os funcionários voltaram ao local e pegaram o cartão de memória da câmera. Ao baixar no computador a surpresa: em invés de duas, quatro onças-pintadas devoravam a vaca.

“A gente esperava duas no máximo, porque já tinham sido vistas, mas assustamos por serem quatro. É uma emoção que a gente tenha tantos animais na nossa região. A surpresa foi só pela quantidade mesmo, porque sabemos que estamos em um ambiente totalmente natural, onde elas vivem mesmo”, ressaltou.

Joana ressalta que fica feliz em receber a visita de animais raros como esses e que a pousada quer preservar a espécie. O objetivo dos registros fotográficos é fazer monitoramento dos bichos, com ajuda de biólogos e pesquisadores.

“Estamos super felizes. Os hóspedes também ficaram surpresos, porque sempre perguntam das onças-pintadas e a gente fala que é raro de ver, que é mais fácil encontrar a onça-parda”, contou.
A pousada vai continuar o monitoramento com armadilhas fotográficas. “Essa noite a gente voltou lá de novo e deixamos as câmeras e, de ontem para hoje, apareceram duas onças de novo”, relatou, sem saber se eram os mesmos animais ou outros.

Mãe e filhotes

Depois que as fotos foram publicadas na internet, dois biólogos pesquisadores comentaram com Joana que os animais parecem ser da mesma família.

“Eles comentaram comigo que seria a mãe e seus filhotes, mas ainda não mandamos as imagens para um pesquisador analisar”, explicou Joana, que é da família dos proprietários da pousada, João Murano e Vânia Alves Correa Murano.

A pousada existe na região desde 1989 e atua também no ramo do ecoturismo. Além disso, a fazenda da família, que fica na mesma região da pousada, também cria gado. Questionada sobre a possibilidade do gado ser usado propositalmente para atrair as onças, Joana nega e diz que a pousada não usaria esse tipo de armadilha.

“Não é o nosso caso. [As onças] Apareceram aqui por conta própria mesmo. A gente também trabalha com gado e tem fazenda, tudo no mesmo local. Isso [presença de onças] acontece porque estamos na região do Pantanal, onde esses animais são comuns. Então, acontece de encontrar às vezes gado perdido, morto por outros animais, mas geralmente é gado menor, bezerro ou até outros animais e a incidência maior é de onça-parda”, contou.

(*) G1/MS

Onças-pintadas são flagradas a 1 km de sede de pousada no Pantanal (Fotos: Divulgação Pousada Aguapé)

Comentários