12/05/2016 09h48 – Atualizado em 12/05/2016 09h48

O professor e empresário Pedro Chaves fundou a Uniderp e já foi secretário municipal de Governo e Relações Institucionais de Campo Grande, entre 2013 e 2014

Daniela Silis

Após a cassação do senador sul-mato-grossense, Delcídio do Amaral, nessa terça-feira (10) por 74 votos a favor, quem irá assumir a sua cadeira no Senado Federal é o seu primeiro suplente, o professor e empresário campo-grandense no ramo da educação, Pedro Chaves. O novo senador pelo MS está na política desde 2010, quando se candidatou a senador suplente de Delcídio, e já foi secretário municipal de Governo e Relações Institucionais de Campo Grande de novembro de 2013 a março de 2014.

O novo senador do Estado de Mato Grosso do Sul, que deve assumir a cadeira na próxima semana, é formado em Ciências Econômicas e Engenharia Econômica, além de possuir Pós-Graduação em nível de mestrado em Economia e curso de especialização em Metodologia do Ensino Superior. Ele iniciou a carreira de empresário em 1971, quando assumiu a direção de uma escola particular de Campo Grande.

Chaves criou o Centro de Ensino Superior de Campo Grande (Cesup), que mais tarde se transformou na Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (Uniderp), onde foi reitor até outubro de 2006, quando vendeu a universidade para o grupo Anhanguera Educacional, de São Paulo.

FUNÇÕES EM EXERCÍCIO

Hoje Chaves é diretor-presidente da Master Class Participações e Assessoria; vice-presidente da Associação Comercial do Estado de Mato Grosso do Sul; conselheiro do Instituto Sul-Mato-Grossense de Ensino Superior (ISES); e diretor do Conselho do Instituto Histórico e Geografia de Mato Grosso do Sul.

Ele também preside o Conselho Deliberativo do Centro Universitário IESB, de Brasília, e é diretor-geral da Moderna Associação Campo-grandense de Ensino (MACE). Todas essas funções não o impediram de assumir o cargo de senador suplente no Senado Federal, após a saída de Delcídio. É a primeira vez que o professor assume um cargo político e o seu mandato deve durar até 2019.

Delcídio, após ser cassado por quebra de decoro, deixa a sua cadeira no Senado e Pedro Chaves assume mandato até 2019 (Foto: Arquivo/Perfil News)

Comentários