08/04/2014 17h48 – Atualizado em 08/04/2014 17h48

Evento internacional apresenta a Plataforma NGP ao público brasileiro e lança ferramenta que rastreia a cadeia produtiva do carvão vegetal na siderurgia nacional

Da Redação

Especialistas e representantes do setor florestal, produtores de carvão vegetal, aço e papel e celulose de 15 países estarão reunidos no Mato Grosso do Sul, nesta semana, para discutir a integração do planejamento do uso do solo nas práticas florestais e agrícolas. No encontro, será lançada uma ferramenta visando à consolidação de uma cadeia sustentável do aço brasileiro, o quarto capítulo do Relatório Florestas Vivas, que propõe desmatamento zero no mundo até 2020, além de uma apresentação sobre a Plataforma Plantações de Nova Geração (NGP, na sigla em inglês), iniciativa da Rede WWF em busca de diminuir a pressão nas florestas naturais.

Promovido pelo WWF-Brasil com apoio do WWF Internacional e da Fibria, o evento busca a integração de diversos setores que utilizam as florestas plantadas como alternativa sustentável de geração de renda e crescimento econômico pautado na responsabilidade social e ambiental. O lançamento da Ferramenta de rastreabilidade da cadeia produtiva do carvão vegetal para uso na siderurgia (batizada de ProMoVe Carvão Sustentável) é um exemplo. A ferramenta faz parte de um programa de verificação da origem do carvão e tem a intenção de alcançar o desmatamento zero das empresas que a adotarem. A iniciativa, nascida no Grupo de Trabalho Carvão Sustentável – criado no Brasil em 2010 e composto por diversas instituições e empresas – vem ao encontro da necessidade deste setor em se mostrar cada vez mais adequado às novas tendências e padrões de sustentabilidade ambiental, social e legal.

João Augusti, gerente de Meio Ambiente Florestal da Fibria, destaca que a “Plataforma Plantações de Nova Geração é uma iniciativa de fundamental importância para o intercâmbio de experiências e para fomentar inovações que gerem benefícios sociais e ambientais nas áreas de influência do setor florestal”. A parceria com o WWF está alinhada a questões prioritárias de sustentabilidade que balizam a estratégia de negócio da companhia, cujos fundamentos são o uso responsável dos recursos naturais, o fomento do desenvolvimento e do bem-estar das comunidades vizinhas às suas operações e a conservação e recuperação dos ecossistemas nativos.

A Rede WWF acredita que plantações florestais devem contribuir positivamente para o bem-estar das comunidades locais, e não substituir ecossistemas naturais, como florestas tropicais. Por isso, fundou em 2007 o NGP (New Generation Plantations Plataform – Plataforma Plantações de Nova Geração, em português). É uma plataforma para aprender sobre como melhorar o manejo de plantações por meio de experiências reais e influenciar outros a seguirem bons exemplos. O NGP reúne empresas florestais líderes e alguns órgãos governamentais que controlam e regulam plantações, e tem como objetivo influenciar outras empresas e governos a tomarem decisões responsáveis do ponto de vista ambiental e social.

A plataforma NGP procura promover e influenciar o manejo de plantações para além dos participantes, compartilhando informações e liderando pelo exemplo, para uma visão em que as plantações florestais contribuam positivamente para o bem-estar das comunidades locais e trabalhem em harmonia com os ecossistemas naturais. Manter a disponibilidade de água e nutrientes do solo, absorver e armazenar carbono, incluir corredores ecológicos para travessia de animais selvagens, proteger as áreas críticas de plantas e animais, melhorar áreas degradadas são algumas das soluções previstas.

Desmatamento líquido zero e degradação florestal líquida zero são as metas principais do Relatório Florestas Vivas (Living Florests Report), desenvolvido pela Rede WWF. A proposta é alcançar isso até 2020 nas regiões prioritárias, o que reflete a escala e a urgência com as quais precisamos enfrentar as ameaças à biodiversidade florestal e ao clima do mundo. O Relatório tem por objetivo catalisar o debate sobre o papel e o valor das florestas no futuro, em um mundo onde a humanidade terá que adequar o seu modo de vida aos limites ecológicos do Planeta, compartilhando os seus recursos de forma equilibrada.

O quarto capítulo “Florestas e Produtos Madeireiros”, que será lançado durante o evento, explora como podemos atender a demanda futura de produtos de madeira com recursos finitos do planeta. Nele são abordados os diversos valores e usos da madeira, com relação às alternativas de materiais; a demanda atual e futura de produtos madeireiros; a relação entre a produção madeireira e a conservação de outros valores florestais e várias opções de produção madeireira. São apresentadas soluções gerais para a humanidade otimizar o uso e os benefícios da madeira sem diminuir o capital natural mundial de florestas.

No decorrer da semana, os participantes do encontro de estudo farão ainda visitas técnicas nas cidades de Ribas do Rio Pardo e Três Lagoas (MS). O NGP Study Tour conta com a parceria da Vetorial Siderurgia, Grupo Mutum, Diálogo Florestal, Embrapa Gado de Corte e Reflore. Este é o primeiro Study Tour de 2014 e nele atores florestais, agrícolas e da sociedade civil participam de um intercâmbio e troca de experiências sobre práticas e processos de participação pública, dessa vez, com foco no Cerrado. Em 2013, o Study Tour da Plataforma NGP ocorreu na África do Sul e no Chile.

WWF-BRASIL

Organização não governamental brasileira que tem os objetivos de harmonizar a atividade humana com a conservação da biodiversidade e promover o uso racional dos recursos naturais em benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações. Criada em 1996 e sediada em Brasília, a instituição desenvolve projetos em todo o país e integra a Rede WWF, uma das maiores redes independentes de conservação da natureza, com atuação em mais de 100 países e apoio de cerca de 5 milhões de pessoas, incluindo associados e voluntários.

FIBRIA

Líder mundial na produção de celulose de eucalipto, a Fibria possui capacidade produtiva de 5,3 milhões de toneladas anuais de celulose, com fábricas localizadas em Três Lagoas (MS), Aracruz (ES), Jacareí (SP) e Eunápolis (BA), esta última onde mantém a Veracel em joint venture com a Stora Enso. Em sociedade com a Cenibra, opera o único porto brasileiro especializado em embarque de celulose, Portocel (Aracruz, ES). A Fibria mantém cerca de 17 mil trabalhadores, entre empregados próprios e terceiros permanentes, incluindo Portocel, e está presente em 255 municípios de seis Estados brasileiros.

(*) Com informações de Assecom Fibria

Especialistas e representantes do setor florestal, produtores de carvão vegetal, aço e papel e celulose de 15 países estarão reunidos no Mato Grosso do Sul, nesta semana, para discutir a integração do planejamento do uso do solo nas práticas florestais e agrícolas (Foto: Divulgação/Assecom)

Comentários