08/05/2015 15h25 – Atualizado em 08/05/2015 15h25

Na reunião, conselho propôs implantação de comitê para Gestão Compartilhada e viabilidade de mais recursos para a entidade

Assessoria

Com a finalidade de estreitar os laços de comunicação, a prefeita de Três Lagoas Marcia Moura (PMDB) esteve reunida na manhã desta sexta-feira (08), em seu gabinete com o Conselho Consultivo do Hospital Nossa Senhora Auxiliadora, onde conversaram assuntos pertinentes à instituição.

Na reunião, o conselho propôs à Prefeitura para a criação de um comitê de Gestão Compartilhada, na qual contaria com a participação de representantes do próprio conselho, diretoria do HNSA e do Poder Executivo com reuniões periódicas para discutirem ações administrativas do Município e do Hospital. “Isso tiraria a responsabilidade de só um órgão e todos os representantes estariam de forma direta sabendo das ações da Saúde que estão sendo realizadas em Três Lagoas”, disse o presidente do conselho, Alberto Pios.

A Prefeita Marcia Moura gostou da ideia e sugeriu que a ação fosse implantada de modo definitivo após a renovação do contrato da Gestão Compartilhada entre Prefeitura e Hospital, que acontece no final de novembro.

Aprovado pela Câmara Municipal e sancionado pela Prefeita Márcia Moura, o contratado de gestão compartilhada para administração da Sociedade Beneficente do Hospital Auxiliadora foi assinado em janeiro de 2013, onde permite que a Prefeitura de Três Lagoas participe ativamente dos processos da Instituição.

CONTRATUALIZAÇÃO

Outro assunto abordado pelo conselho foi a respeito da revisão dos valores da contratualização que atualmente a Prefeitura repassa ao Hospital. Segundo o conselho, hoje o HSNA enfrenta um déficit e necessita do reajuste do valor para que o atendimento seja melhorado.

A Prefeita declarou que atualmente devido o momento delicado em que o país atravessa, o Município tem sido prejudicado pelo corte de repasses do Governo Federal, dentre eles, o acelerador linear. Também informou que o dinheiro destinado para implantação da Rede Urgência e Emergência (RUE) já está na Caixa Econômica Federal aguardando a liberação.

“Nesse quadrimestre investimos 11 milhões de reais na Saúde e grande parte são das liminares que acatamos na justiça. Precisamos diminuir nos custos para repassar um valor maior e é o que mais queremos, mas isso deve ser feito pelas três esferas de governo e não somente da Prefeitura. Preciso da ajuda de todos para que a gente faça uma gestão com competência e responsabilidade”, disse.

ALTERNATIVAS

Marcia Moura solicitou ao conselho para que possam aguardar mais um pouco, pois em breve, Três Lagoas deverá receber uma ação da Saúde que terá uma parceria do Governo do Estado e poderá desafogar o número de atendimentos no Município. “A nossa expectativa é para que recebamos essa ação e depois disso pode ser feito um levantamento das reais necessidades, uma vez que a Cidade receberá uma série de atendimentos para a população e isso pode diminuir os custos”, disse.
Além disso, a Secretária de Saúde, Eliane Brilhante adiantou que na próxima semana o Município deverá repassar um auxílio financeiro que faz parte dos leitos de retaguarda – uma das ações que faz parte da Gestão Compartilhada e visa dar maior giro de pacientes nos leitos, propiciando na otimização dos custos e atendimento maior de outros pacientes que precisam da vaga. O valor estava bloqueado pelo Ministério da Saúde desde o final do ano passado.

PRESENÇA

Participaram da reunião os integrantes do Conselho do HSNA, entre eles, Arnaldo Milan (Fibria); Pascoal Secco (Sindicato Rural de Três Lagoas); Alda Campos (Rede Feminina de Combate ao Câncer), Maurice Russel (Metalfrio), Dr. José Rodrigues, o diretor técnico do HNSA, Delso do Nascimento e a Diretora Geral do Hospital Auxiliadora irmã Maria Lúcia Barreto; a secretária de Saúde, Eliane Brilhante, o assessor jurídico Clayton Mendes de Moraes e o vereador Jorge Martinho.

(*) Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Três Lagoas

A Prefeita declarou que atualmente devido o momento delicado em que o país atravessa, o Município tem sido prejudicado pelo corte de repasses do Governo Federal, dentre eles, o acelerador linear. (Foto: Assessoria)

Na reunião, o conselho propôs à Prefeitura para a criação de um comitê de Gestão Compartilhada, na qual contaria com a participação de representantes do próprio conselho, diretoria do HNSA e do Poder Executivo. (Foto: Assessoria)

Comentários