Iniciativa é da Suzano e da ONG Childhood Brasil; serão capacitados 31 profissionais da assistência social, saúde e segurança pública de Três Lagoas

A Suzano firmou parceria com a Childhood Brasil, organização não-governamental de proteção de crianças e adolescentes contra violência sexual, para apoiar a organização na articulação e qualificação de 31 profissionais da Rede de Proteção  dos Direitos da Criança e do Adolescente de Três Lagoas no novo curso EAD para “Escuta Especializada” da Childhood Brasil.

Iniciado na primeira quinzena de outubro, o Curso de Escuta Especializada na Rede de Proteção foi elaborado pelas maiores referências nacionais sobre o assunto que aturaram diretamente no processo de concepção e implementação da Lei 13.431/17 (Escuta Especializada) e de sua regulamentação (Decreto 9.603/18). O curso visa capacitar profissionais que atuam e/ou pretendem atuar profissionalmente na escuta especializada de crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual, reduzindo assim, os índices de violência e de revitimização.

“A Suzano entende que a proteção dos direitos de crianças e adolescentes é um dever de todos e, por isso, busca atuar, seja com iniciativas próprias ou como apoiadora, para que esses direitos sejam respeitados e todo tipo de violência seja combatido.  Por meio da parceria com a Childhood Brasil, a empresa irá apoiar a rede de proteção de Três Lagoas preparando os servidores da saúde, assistência social, segurança pública e judiciário, no entendimento da Lei, que tem como principal objetivo evitar a revitimização de crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência”, destaca Israel Batista Gabriel, coordenador de Desenvolvimento Social da Suzano.

O curso tem carga horária de 120 horas e está previsto para encerrar-se em dezembro deste ano. Todas as aulas são ministradas à distância, por meio da plataforma da Childhood Brasil, em parceria com a Ucorp (Universidade Corporativa do Brasil) e Equidade. Dentre os temas abordados no curso, estão: formas de acolhimento e a importância da integração das instituições; padronização no atendimento a fim de evitar a revitimização (quando  a criança ou adolescente tem de contar a história de violência por várias vezes e para diferentes pessoas, o que pode tornar todo o processo ainda mais traumático); Marco Normativo da Escuta Especializada; Sistema de Garantia de Direitos; formas e consequências da violência contra crianças e adolescentes; desenvolvimento infantil e diversidade cultural.

Participantes

Participam do Curso de Escuta Especializada representantes da Polícia Militar, Polícia Civil, DAM (Delegacia de Atendimento à Mulher), Conselho Tutelar, CMDCA (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente), CREAS (Centro de Referência de Assistência Social), Clínica da Criança, UPA (Unidade de Pronto Atendimento), Hospital Auxiliadora, APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), Fórum da Comarca de Três Lagoas, Ministério Público de Mato Grosso do Sul, Departamento de Proteção Social Especial da Assistência Social, entre outros.

Comentários