22/03/2012 16h48 – Atualizado em 22/03/2012 16h48

Educação de Três Lagoas é destaque em iniciativas de ensino

Assessoria de Comunicação

A Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SEMEC) instituiu em 2011 uma série de mudanças nas dinâmicas de ensino que hoje passaram a ser exigência do Ministério da Educação (MEC) para todo o país.

Entre as mudanças está a avaliação diagnóstica, que tem o objetivo de descobrir, por meio de uma prova feita pelos alunos do segundo ano do ensino fundamental, quais as dificuldades que eles enfrentam no aprendizado e em que nível eles estão. Ao todo são 58 turmas no segundo ano, totalizando 1.492 estudantes.

No dia 20 de março deste ano, a presidente da república, Dilma Roussef, instituiu projeto exigindo a aplicação desta prova para que seja feita a avaliação do nível de aprendizado. “A educação de Três Lagoas saiu na frente do MEC. Nós fizemos reunião em dezembro do ano passado para planejar o ensino na Cidade e já tínhamos incluído esta prova diagnóstica”, explica a diretora pedagógica Jussara Fernandes.

COMO FUNCIONA

A avaliação diagnóstica deve ser aplicada no início e no final do ciclo, no segundo ano. “Só assim conseguimos descobrir quanto os alunos conseguiram evoluir durante o ano letivo”, diz Jussara.

A prova do início do ano foi aplicada entre os dias 12 e 22 de março. Conforme a diretora pedagógica, esta avaliação acontece no segundo ano, porque é nesse período que o aluno consegue assimilar mais as informações, ler e escrever com segurança, para só então dar continuidade ao aprendizado. “Conseguir identificar falhas no processo de alfabetização com tempo para corrigir é o objetivo deste projeto”, afirma Jussara.

REDE PÚBLICA DE ENSINO

Em Três Lagoas existem 11.990 alunos matriculados na rede pública de ensino, o que compreende crianças da educação infantil ao nono ano do ensino fundamental.

PERÍODO INTEGRAL

Outro destaque da educação pública três-lagoense, enfocada pela diretora pedagógica da SEMEC, é a escola em tempo integral, como a Escola Municipal Professor Ramez Tebet e a do Distrito de Garcias, a Escola de Campo Professora Elma Garcia Lata Batista, que oferece café da manhã, almoço, lanche e oficinas para os alunos: informática, artes, revitalização, entre outras.

“Este é outro projeto que iniciamos antes do MEC”, diz Jussara Fernandes.

ATENÇÃO ESPECIAL

Desde 2006, a rede de ensino público de Três Lagoas oferece a seus alunos apoio pedagógico. O objetivo desta sala especial é possibilitar aos estudantes com dificuldade de aprendizado contar com um auxílio, em horário contrário ao turno em que estudam, para trabalhar suas dificuldades com profissionais especializados visando a melhora no aprendizado. “As crianças e jovens que não conseguem acompanhar o restante da turma, podem frequentar aulas extras, duas ou três vezes por semana, durante duas horas cada período”, explica Jussara.

AEE

Uma sala montada na escola pólo, Flauzina de Assunção Marinho, chamada de “AEE” – Atendimento Educacional Especializado – pretende aperfeiçoar o ensino para atender alunos com dificuldade ou necessidades especiais, com computadores e equipe específica com Psicopedagoga, Psicóloga, Assistente Social, Pedagoga, Professor de Educação Física, Estagiária de Fisioterapia, Terapeuta Ocupacional, além da equipe do Departamento Pedagógico, da Secretaria Municipal de Educação e Cultura.

Comentários