04/04/2016 12h37 – Atualizado em 04/04/2016 12h37

Três homens foram assassinados a tiros, enquanto uma moça de 20 anos morreu afogada no Rio Paraná, quanto participava de uma pescaria

Daniela Silis e Ricardo Ojeda

Autoridades policiais registraram quatro mortes nesse final de semana em Três Lagoas. A primeira teve como vítima, o jovem Thiago Domingos de Queiroz, 22 anos, alvejado na madrugada desse sábado (02), às 4h15, com quatro tiros, na Ranulpho Marques Leal, quando o mesmo estava em um posto de combustível. Na manhã desse domingo (03) foram localizados os suspeitos por praticar o crime.

Conforme o Boletim de Ocorrência, o pai da vítima relatou que dois homens em uma motocicleta Yamaha de cor branca foram responsáveis pelos disparos. Também foi dito que no local estava um Honda Civic de cor preta que aparentava estar acompanhando a motocicleta.

Após informações obtidas por policiais civis do Setor de Investigações Gerais (SIGO) da Delegacia Regional de Polícia, bem como a Polícia Militar, os suspeitos de serem os autores do homicídio foram identificados como Emerson José De Oliveira Serafim, conhecido como Pelezinho; Emerson Adriano Nascimento, conhecido como Adriano; e Emerson Renan de Oliveira Roque, Nego, que estava na garupa da moto. Ainda foi identificado outro suspeito, como sendo comparsa, cujo primeiro nome seria Adão, responsável por pilotar a motocicleta utilizada na fuga.

MORTE POR AFOGAMENTO

A segunda morte foi registrada às 14h19 desse sábado (03), conforme consta no Boletim de Ocorrência. Onélia Mariano Pereira Camargo foi vítima de um afogamento no Rio Paraná, enquanto pescava em uma plataforma flutuante, construída com uma cobertura de chapa de ferro e que era sustentada por tambores de 100 litros, comumente chamada de Chalana ou casa flutuante.

Estando a poucos metros da margem do rio, a plataforma veio a se virar, arrastando todos que estavam ali a uma profundidade de sete metros. Os relatos foram feitos pelo namorado da vítima, Jose Nildo, que também estava na embarcação.

Onélia foi localizada pelo corpo de bombeiros presa em um emaranhado de linhas de pesca, além de a embarcação estar sobre o corpo da vítima no fundo do rio. Os outros passageiros da embarcação conseguiram sair do rio.

TERCEIRA MORTE

Outra ocorrência, registrando a terceira morte, foi de André Luiz Feitosa, 42 anos, no bairro Santa Rita. De acordo com Boletim de Ocorrência, André foi morto por tiros enquanto tomava tereré, acompanhado pela testemunha Anielle, na tarde desse sábado (03), às 18h50.

Ainda conforme o B.O., a vítima estava sentada na guia da calçada, na esquina de uma viela, quando um homem que trafegava na via de calça, camiseta preta e portando um capacete na mão, efetuou disparos contra André, que estava de costas. A testemunha ainda relatou que o homem também apontou a arma em sua direção, mas se deslocou em seguida.

RESIDENCIAL NOVO OESTE

A quarta morte ocorrida em Três Lagoas foi de Jânio Lima dos Santos, 31 anos, morto com dois tiros na frente de um apartamento no Residencial Novo Oeste às 22h20 desse domingo (4). Segundo o Boletim de Ocorrência, a namorada da vítima, Janete do Nascimento Bispo, estava no local e não prestou nenhuma informação aos policiais. Janete foi conduzida para a Unidade Policial por se recusar a prestar dados sobre o fato.

Ainda conforme o B.O., o principal suspeito do homicídio é o filho de Janete, Cassio Bruno Nascimento Mendes. A testemunha Divina Germana de Ramos, proprietária do apartamento onde ocorreu o homicídio, ainda relatou ter visto uma discussão entre Cassio e Jânio na semana passada, onde teria escutado o suspeito ameaçando a vítima. Outra testemunha, vizinha do local do crime e que não quis se identificar, disse ter apenas ouvido dois disparos de arma de fogo e Janete gritando com o autor do crime, pedindo que não o matasse.

FINAL DE SEMANA VIOLENTO

A reportagem do Perfil News falou com o comandante do 2º BPM, Tenente Coronel, José Aparecido de Moraes, que disse que o final de semana foi violento, mas que nenhuma das mortes poderiam ser evitadas pelo policiamento.

Conforme o Tenente, tudo indica que dois desses homicídios podem ter sidos causados por desentendimentos familiares, por terem ocorridos em frente às casas das vítimas. O primeiro homicídio, como Thiago possuía várias passagens pela polícia, tudo leva a crer que tenha ocorrido algum desentendimento entre a vítima e os acusados. “Se você for verificar as ocorrências do final de semana, sem dúvida foi violento, mas eu não atribuo isso a falta ou falha do policiamento da nossa cidade que está sendo constante”, afirmou o Tenente.

Comentários