Depois de um ano com verbas “travadas” pelo Ministério Público, o prefeito reeleito Edinho Takazono falou com o jornalista Ricardo Ojeda sobre o planejamento da cidade para 2021. E isso inclui planos audaciosos.

Apesar de estar com os “cofres cheios”, as verbas advindas da CESP, a cidade enfrentou um ano difícil, com muitas dificuldades financeiras. Isso porque o Ministério Público “travou” o recurso. “Fizemos um TAC e o MP travou em cima desse TAC e atrapalhou o desenvolvimento de Anaurilândia por um ano. Tivemos várias audiências públicas com o Ministério Público, mas pelo visto foi tudo de fachada, eles nem anotaram as reuniões”, diz.

Depois de muitas reuniões, Anaurilândia conseguiu “sensibilizar” o MP e conseguiu destravar a situação. “O Ministério Público se achava o dono do recurso, mas o dinheiro é do município. A função do MP é de avaliar e acompanhar. Se tiver algo errado, que ele faça a sua função, que é apresentar a denúncia”, disse.

Dentre as novidades que virão em um futuro breve estão o novo Paço Municipal, já em fase de conclusão, um novo Hospital Municipal e um Polo Industrial. Para isso, a cidade já comprou uma área de 13 alqueires, que foi dividida em 78 terrenos que serão destinados a indústrias que queiram se instalar em Anaurilândia. “Nossa meta é gerar emprego e renda para a nossa população”.

Área de 13 alqueires foi comprada e dividida em 78 terrenos, prontos para receber indústrias que ferem emprego e renda.

Além do terreno, as empresas podem, ainda, ser “parceiras” do município na construção dos prédios e obter isenções fiscais. Tudo para trazer empregos aos moradores da cidade.

Há, ainda, o projeto de investimento do Balneário, que deve contar com ciclovia, piscinas e toboáguas para o lazer do anaurilandense. O Governo do Estado ficou responsável pela pavimentação.

Pavimentação da estrada que leva ao balneário é de responsabilidade do Governo do Estado. Fotos: Ricardo Ojeda

Ainda na questão de geração de empregos, a cidade tem parceria com uma fecularia, construindo uma estrutura para produção de 400 toneladas de mandioca por dia. Além disso, a cidade prepara áreas para plantação de soja. “Não tínhamos um pé de soja plantado em Anaurilândia. Hoje temos terra preparada para 27 mil hectares e chegar a 2024 com 70 mil hectares de soja e milho”.

Área de plantação da futura fecularia.

Usina fotovoltaica

O projeto da Usina Fotovoltaica, que foi notícia no ano passado, parou em razão da pandemia. Edinho espera que, no próximo ano, com o mundo voltando aos poucos ao normal, as tratativas sejam retomadas.

Prestes a iniciar o quinto mandato, Edinho é prudente, mas tem uma visão otimista do futuro da cidade. “Será um primeiro semestre muito difícil para todo mundo, especialmente para os municípios pequenos. Mas é a primeira vez que eu vou começar com dinheiro em caixa e a cidade com as contas equilibradas. Quero deixar um grande legado para a população de Anaurilândia”.

Acompanhe abaixo a entrevista completa:

https://www.facebook.com/tvperfilnews/videos/385975579149574
Comentários