26/04/2014 12h03 – Atualizado em 26/04/2014 12h03

A ação é promovida pelo Governo do Estado de Mato Grosso do Sul por intermédio da Secretaria de Comércio e Turismo (Seprotur) e entidades do setor florestal e agropecuário

Da Redação

Alertar o produtor rural e a população urbana sobre os elevados índices de queimadas em Mato Grosso do Sul. Este é o objetivo da Campanha de Prevenção e Combate a Incêndios que será lançada na próxima segunda-feira (28), na sede da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Sistema Famasul), às 14h. O evento contará com a presença do presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Volney Zanardi.

Para o diretor geral da Associação Sul-Mato-Grossense de Produtores e Consumidores de Florestas Plantadas (Reflore/MS), Dito Mário, os focos de incêndios no Estado geram prejuízos econômicos, ambientais e sociais. “No ano passado, uma empresa de celulose perdeu 250 mil hectares com incêndio florestal, acarretando um prejuízo de R$ 12,5 milhões”, exemplifica Dito Mário.

Segundo o diretor, é preciso aumentar a estrutura das empresas privadas para combater esses focos e também conscientizar a sociedade urbana e rural. “Em abril, foram registradas 3 mil incidências de incêndio. Entre as causas, 85% devem-se ao fator humano como pontas de cigarro jogadas nas rodovias e lixo domiciliar queimado, que provocam o fogo”, ressalta. Causas naturais também provocam incêndios no meio rural, por causa dos raios.

A época do ano com maior incidência oscila entre maio e outubro, segundo o diretor. A campanha utilizará publicidade informativa, com distribuição de panfletos e fixação de outdoors, palestras em escolas municipais no meio rural e urbano. “A Campanha não tem data final, é contínua, até porque este problema é constante”, afirma Mário.

A ação é promovida pelo Governo do Estado de Mato Grosso do Sul por intermédio da Secretaria de Comércio e Turismo (Seprotur), juntamente com o Governo Federal por intermédio do Ibama, Famasul, Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/MS), Reflore/MS, Polícia Militar Ambiental, Sindicato das Indústrias e dos Produtores de Carvão Vegetal de Mato Grosso do Sul (Sindicarv).

(*) Com informações de Assecom Painel Florestal

Comentários