20/07/2017 14h03

O foco é inibir que a gordura dispensada por esses estabelecimentos venham a entupir a rede de esgoto

Redação

A Prefeitura de Três Lagoas, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Agronegócio (SEMEA), em parceria com a SANESUL, tem intensificado a fiscalização aos restaurantes, cozinhas industriais e demais empreendimento do ramo de preparo de refeições no intuito de verificar e exigir que os proprietários implantem caixas de contenção de gordura e, aqueles que já têm, mantenham a limpeza em dia.

Isso é devido ao fato de que a inexistência desse instrumento, que é projetado de acordo com norma técnica 8.160/1999 da Associação Brasileiro de Normas e Técnica (ABNT), gera entupimentos na rede coletora de esgoto, assim como explica a fiscal ambiental da SEMEA, Cristiane Rocha. “Esse tipo de atividade possui grande potencial de causar entupimentos na rede e demais equipamentos que compõe o sistema de coleta de esgoto como poços de visita e estações elevatórias”.

Conforme o secretário municipal de Meio Ambiente e Agronegócio, desde que a Secretaria passou a atuar em pareceria com a SANESUL na fiscalização da rede coletora, trabalho esse que se iniciou em 2016, observou-se que boa parte das reclamações de vazamentos de esgoto em vias públicas ocorre devido às obstruções causadas por gordura advinda de restaurantes e similares.

“Muitas vezes os proprietários não se dão conta de que estão prejudicando a rede coletora de esgoto porque a obstrução não ocorre necessariamente próxima ao seu estabelecimento, sendo que em alguns casos já foram constatados entupimentos até duas quadras de distância do local de geração de gordura”, ressalta Yamaguti.

No entanto, apesar do trabalho de fiscalização ser realizado regularmente por meio do Departamento de Licenciamento Ambiental e Fiscalização, o número de ocorrência é grande. “Dessa forma, a Secretaria passará a notificar estabelecimentos desse ramo para que apresentem contrato fixo com empresas limpa-fossa para limpeza periódica da caixa de gordura e, assim, faremos apenas o monitoramento do cumprimento do contrato”, explica Cristiane.

Celso Yamaguti reforça, ainda, que devido à caixa de gordura se tratar de um item que fica enterrado, os proprietários acabam se esquecendo de realizar a limpeza. “A região que mais tem recebido atenção da fiscalização é a da Lagoa Maior, uma vez que vazamentos de esgoto naquela região acabam afetando o lago por conta do escoamento desses resíduos pelas ruas”, finaliza.

(*) Assessoria de Comunicação Prefeitura de Três Lagoas

Vazamento de esgoto ocorrido recentemente nas proximidades da Lagoa Maior (Foto/Assessoria)

Comentários