16/03/2016 12h27 – Atualizado em 16/03/2016 12h27

Neste ano, o tema “Altas habilidades/ Superdotação” será trabalhado com palestra e capacitação dos professores que atuam no Atendimento Educacional Especializado

Assessoria

A Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SEMEC), juntamente com o Departamento Pedagógico, realiza nesta quinta-feira (17), o 3º Seminário de Educação Especial. Neste ano, a Professora Doutora Cristina Maria Carvalho Delou vai trabalhar o tema “Altas habilidades/ Superdotação” na palestra que acontece às 7h, no Papillon Buffet. Já às 13h, os professores participam de uma capacitação no Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinted).

Especialização ainda pouco estudada por grande parte dos professores, as práticas pedagógicas para alunos com Altas Habilidades/Superdotação é uma importante ferramenta na inclusão desse público. Além de frequentarem salas de aula regular, também devem receber o Atendimento Educacional Especializado (AEE), direito garantido pela Resolução CNE/CEB Nº 04/2009.

PALESTRA

Doutora em Educação, a professora Cristina Maria Carvalho Delou atua nas áreas de Educação Especial e Educação de Superdotados. Já realizou pesquisas e trabalhos de extensão sobre Inclusão e Acessibilidade de Deficientes Visuais para o Ensino de Biologia, Programa de Atendimento de Alunos com Altas Habilidades/Superdotação e Mapeamento de Demandas de Acessibilidade dos Campi da Universidade Federal Fluminense, no Rio de Janeiro, onde ministra aulas.

Vice-Presidente da Associação Brasileira de Diversidade e Inclusão (ABDIn) para o biênio 2015/2016, atua na área desde 1987 e acredita que a inclusão deve ser dar nas salas de aula, o que apesar de ser um direito, ainda é um grande desafio. A frequência do aluno no ensino regular não garante a inclusão, que deve ser trabalhada com metodologia adequada por professores capacitados e com conhecimento do assunto.

FORMAÇÃO CONTINUADA

Para manter sempre atualizada a equipe pedagógica e os professores e especialistas que atuam diretamente no Atendimento Educacional Especializado, a SEMEC promove regularmente seminários e capacitações voltadas ao público-alvo do AEE: alunos da Rede Municipal de Ensino (REME) com deficiência visual, auditiva, Síndrome de Down, Síndrome de Asperger, Autism e Altas Habilidades/ Superdotação.
Em 2015, o Seminário de Educação Especial na Perspectiva Inclusiva contou palestras com psiquiatra, fisioterapeuta, fonoaudióloga, terapeuta ocupacional e comunicação oral, trabalhando a temática da Síndrome de Down.

AEE

Implantado com recursos próprios do município em junho de 2012, na administração da prefeita Marcia Moura (PMDB), o Atendimento Educacional Especializado (AEE), atende aos alunos por meio de equipamentos de informática, mobiliários, materiais pedagógicos e de acessibilidade para a organização do espaço e aplica atividades diferentes das transmitidas nas salas de aula regulares frequentadas pelos alunos, em horário oposto.

Desta forma, não se caracteriza como reforço das atividades escolares e sim um complemento que busca eliminar as barreiras, possibilitando desenvolvimento, aprendizagem e a plena participação na sociedade.

Ferramenta da Educação Inclusiva, a Educação Especial, de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de dezembro de 1996, é a “modalidade de educação escolar oferecida preferencialmente na rede regular de ensino, para alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/ superdotação”.

O serviço, que se estende também à família, leva em consideração as necessidades específicas de cada criança, aplicando recursos pedagógicos e de acessibilidade a fim de eliminar as barreiras que impeçam a total participação dos alunos. Também oferece transporte aos alunos da REME e do Estado, além de seleção e acompanhamento dos estagiários.

O atendimento, para ser completo, é realizado em parceria com a Secretaria de Saúde, por meio da Clínica da Criança e do Centro Especializado em Reabilitação Física e Intelectual (CER II), em parceria com a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE). O local, antes conhecido como Clínica de Atendimento Ambulatorial e Reabilitação (CAARA) ganhou a nova regulamentação pelo Ministério da Saúde em março de 2013, atende Três Lagoas e os dez municípios de sua Macrorregião: Água Clara, Costa Rica, Bataguassu, Brasilândia, Selvíria, Paranaíba, Aparecida do Taboado, Cassilândia e Inocência.

(*) Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Três Lagoas

SEMEC de Três Lagoas realiza 3º Seminário de Educação Especial. (Foto: Assessoria)

Comentários