Membros da comissão já solicitaram à Prefeitura e ao Hospital que enviem comprovantes e documentos pedidos

A Comissão Parlamentar de Inquérito aberta em 19 de maio pelo vereador Davis Martinelli para investigar supostas irregularidades na gestão de verbas do Hospital Nossa Senhora Auxiliadora está em fase de coleta de documentos.

De acordo com Martinelli, os membros da CPI já se reuniram duas vezes para deliberar sobre o andamento da CPI. Depois dos encontros, pediram à Prefeitura que envie uma relação de toda a verba que foi destinada ao Hospital entre 2017 e abril de 2020.

Os vereadores também pediram uma série de documentos ao Hospital Nossa Senhora Auxiliadora. Dentre os documentos, os vereadores querem comprovantes de que o diretor do Hospital, Marco Calderón, teria formação adequada ao cargo. Também pedem diplomas e certificados de registro profissional da esposa do diretor, que exerce cargo de chefia no Hospital. Os vereadores querem saber qual a formação dela, quando se formou e quando foi admitida.

A CPI também solicitou que o Hospital justifique gastos como a compra de flores no valor de R$ 150 mil, amplamente divulgadas pelos jornais locais e fato bastante discutido na abertura da CPI.

Tanto o Hospital quanto a Prefeitura teriam o prazo legal de 15 dias úteis para providenciar o que foi pedido, mas o Hospital pediu que dez dias a mais no prazo, o que foi concedido pela CPI.

“Depois que recebermos toda a documentação vamos nos reunir de novo para decidir os próximos passos e começar a ouvir pessoas que possam nos esclarecer essas situações”, afirmou Martinelli, que já adiantou que chamará o Diretor do Hospital e a Secretária de Saúde, Angelina Zuque, para depôr na CPI.

Comentários